Em Foco

Você está em: Home, Em Foco, CAPP - Uma chance para meninos e meninas

Abril de 2015

CAPP - Uma chance para meninos e meninas

A presidente Sílvia Mara Lemos Macedo:
A presidente Sílvia Mara Lemos Macedo: "O Capp tem por objetivo a educação e a formação integral da criança e adolescente. Assim se desenvolve várias atividades para esse fim".

Com poucas oportunidades para ocupar produtivamente seus filhos e mantê-los afastados de más influências que podem levá-los ao mundo das drogas e do crime, centenas de famílias que vivem em situação de vulnerabilidade social encontram no Centro de Aprendizagem Pró-Menor de Passos (Capp) uma alternativa para lhes garantir um futuro mais promissor. No Capp, crianças e adolescentes entre 6 e 16 anos de idade aprendem vários ofícios, artes e esportes no contraturno escolar, sem contar as atividades pedagógicas e educativas.

Situado no Bairro Vila Rica, o Capp foi fundado em 17 de novembro de 1969 pela congregação católica Irmãos de São Gabriel. Hoje são 380 alunos e 31 professores - educadores cedidos pelo Estado, Município e contratados pela própria instituição. “O Capp tem por objetivo a educação e a formação integral da criança e adolescente. Assim se desenvolve várias atividades para esse fim”, informa a presidente, Sílvia Mara Lemos Macedo.

Em cumprimento a um convênio com o governo de Minas Gerais, através do PROETI (Programa de Escola de Tempo Integral), firmado em 2012, o Capp desde então é ligado à Escola Estadual Neca Quirino, no Bairro Belo Horizonte, onde seus beneficiários frequentam a escola regular para, depois, no contraturno, fazerem suas obrigações na instituição, todas gratuitas.

Essas ocupações dos meninos são pedagógicas, educativas, esportivas, religiosas – através da formação bíblica, com enfoque em valores e postura, “numa perspectiva interdisciplinar e ecumênica”, conforme explica Sílvia Macedo. Os alunos são também preparados em habilidades pré-profissionais: corte e costura, artesanato, tecelagem, marcenaria, serralheria e mecânica de veículos.

CAPP

 

O Capp é mantido com recursos obtidos por meio de doações da sociedade e subvenções do Estado e do Município, através da Secretaria de Educação, Cultura, Esporte e Lazer (Secel) da Prefeitura. Convênios e parcerias também ajudam a sustentar a instituição, como o já citado PROETI, e receitas próprias com a fabricação de blocos e canaletas de cimento, bloquetes de calçamento de ruas e telas galvanizadas.

Entretanto, a presidente ressalta que sem os professores do Estado, que é a grande maioria (24) de seus educadores, o Capp não teria condições de atender as 380 crianças e adolescentes, o que, se não ocorresse, poderia se tornar um impactante desalento social, visto que outras 200 menores estão na fila de espera por uma vaga na instituição. “O PROETI é a única forma de sustentarmos um número maior de crianças. Senão, teríamos que reduzir em menos da metade”, afirma.

Os alunos do Capp estudam regularmente na Escola Estadual Neca Quirino. No Capp, eles fazem as atividades no período em que não estão na sala de aula. É o chamado contraturno escolar, que significa na realidade uma escola de tempo integral. Todos são transportados pelos ônibus da entidade, a partir de casa ou da escola – depende do turno de aula de cada um. Os mais jovens fazem seus ofícios extracurriculares de manhazinha, os mais velhos, à tarde.

Os do turno matutino são recebidos com um café e, antes de irem para a escola, almoçam. Os do período vespertino são pegos na escola, almoçam no Capp, realizam as atividades do dia, tomam café no meio da tarde e às 17h são levados para casa.

Os garotos passam as horas em que não estão na escola aprendendo algum ofício que vai ser aproveitado por eles, de alguma forma, no futuro. Música, esporte, jogos educativos, artesanato, tecelagem e marcenaria são ensinados pela equipe profissional ou voluntária do Capp.

Outros afazeres são ministrados conforme a disponibilidade de voluntários, como aulas de dança, teatro e violão e atendimento psicológico. “Em 2014, a aula de música foi muito bonita, o professor conseguiu colocar 12 alunos tocando violão no final do ano”, disse Sílvia Macedo, esperando que o trabalho realizado no ano passado se repita em 2015.

Segundo a vice-diretora Joselita Santos Duarte Fonseca, o número de voluntários varia muito. Com quatro anos de trabalho no Capp, ela considera como uma missão o objetivo da instituição para as crianças e adolescentes de Passos, principalmente porque eles vivem em situação de risco social. “Se a gente não amparar essas crianças antes de educar, a gente não consegue atingir o objetivo”, comenta.

Atividades oferecidas pelo CAPP

© Copyright 2013 Foco Magazine

by Mediaplus