Arquitetura e Construo

Voc está em: Home, Arquitetura e Construo, Arquitetura e interiores de clínicas e hospitais de alto padrão

Janeiro de 2016

Arquitetura e interiores de clínicas e hospitais de alto padrão

Hospital Otto Krakauer.
Projeto do Hospital Otto Krakauer.
 
Clinica Dra. Tamara Toledo.
Clínica Dra. Tamara Toledo.

O projeto de Arquitetura e Interiores de Clínicas e Hospitais são uma das especialidades e projetos mais complexos, pois possuem peculiaridades e processos complexos desde a concepção até a aprovação junto aos órgãos responsáveis de saúde. O arquiteto que trabalha nessa área precisa saber sobre as mais modernas metodologias de projetos arquitetônicos hospitalares, incluindo a compreensão dos processos da instituição de saúde e métodos de dimensionamento do edifício, do Setor de Apoio ao Diagnóstico e Terapia (SADT), além do aprendizado referente a cálculo de custos das instalações clínico hospitalares. Por isso, antes de começar o projeto de uma nova instalação, uma reforma ou ampliação de uma clínica, laboratório ou um hospital, é necessário ter muito cuidado, pois existem normas e portarias específicas para cada tipo de serviço que irá ser oferecido, e que são determinados pela ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Infelizmente, ainda é comum, o profissional de saúde que quer instalar uma clínica, laboratório ou outro serviço dentro da área, alugar uma sala, casa, ou um ponto comercial levando  em conta apenas sua localização na cidade, sem saber se essa edificação vai atender todas as exigências do empreendimento, e se poderá instalar toda a infra-estrutura e suporte necessários para oferecer a seus clientes, serviços com a qualidade desejada. 

Muitas vezes o resultado é um projeto deficiente, com erros crassos e espaços perdidos e subutilizados, acarretando em problemas contínuos, inclusive levando a reformas intermináveis futuras para correção e adequação junto as normas, sendo que tudo isso poderia ser evitado contratando um Arquiteto com registro no CAU(Conselho de Arquitetura e Urbanismo). Alguns pontos chaves devem ser levados em conta na hora de projetar como, por exemplo:

  • Flexibilidade; 
  • Racionalização;
  • Contiguidade (expansão e zoneamento);
  • Desenvolvimento horizontal e vertical (circulação);
  • Flexibilidade estrutural;
  • Humanização (conforto ambiental);
  • Tecnologia;
  • Meio ambiente e assepsia.
Recepção da Santa Casa de Passos.
Recepção da Santa Casa de Passos.

 

 

Hospital Otto Krakauer.
Projeto do Hospital Otto Krakauer.
Dessa forma, todos os estabelecimentos de saúde devem primeiramente ser projetados e desenvolvidos por um Arquiteto responsável e  encaminhados para a vigilância sanitária ou órgão responsável, onde serão analisados e aprovados para então dar-se-á início às obras.
 
Nenhum Designer de interiores ou Designer tem capacitação para tal função, este projeto é complexo e demanda conhecimento muito específico. É fundamental que o arquiteto entenda e conheça o trabalho que será desenvolvido no projeto, sabendo dos objetivos e metas a serem atingidas pelo cliente, como também tenha conhecimento das normas que rege o estabelecimento, e que tenha experiência com aprovações na vigilância sanitária, para evitar aborrecimentos e atrasos nas obras.
 
Fazem parte do processo de formulação e criação do Projeto Arquitetônico Hospitalar:
  • Dimensionar o edifício de acordo com as normas do Ministério da Saúde;
  • Planejar as instalações elétricas, hidráulicas, sanitárias, fluido-mecânica, comunicações, climatização, gás, gases medicinais, tratamento do lixo (cirúrgico, comum, radioativo);
  • Conhecer o Plano Diretor Hospitalar;
  • Saber o Sistema Construtivo para o projeto;
  • Administrar os custos na construção, manutenção e operação do projeto;
  • Criar mobiliários adequados a cada tipo de tratamento oferecido;
  • Designar e escolher materiais como acabamentos e revestimentos que sejam adequados;
  • Criar formas ecológicas e não agressivas de descartar resíduos;
  • Fornecer conforto ambiental adequado aos pacientes e profissionais;
  • Criar fluxos de pessoas, materiais e expurgo adequado e seguro;
  • Criar ambientes com máximo de ventilação e condicionamento térmico natural;
  • Proporcionar isolamento das áreas que necessitem;
  • Criar uma boa interação das áreas verdes externas com a internas; 
  • Criar conforto visual e sonoro;
  • Prever acessibilidade máxima aos pacientes;
  • Criar facilidades no acesso ao interior da edificação atrelados a sistemas de segurança internos e externos para efetivar ambos;
  • Promover iluminação adequada a cada tipo de ambiente;
  • Projetar ambientes destinados a área administrativa e financeira com segurança e privacidade, etc.
Projeto Hospital Otto Krakauer.
Projeto Hospital Otto Krakauer.

 

 
 
Hospital Otto Krakauer.
Hospital Otto Krakauer.

É importante lembrar que ao desenvolver uma nova instalação deve-se ter muito cuidado e prever a flexibilidade e possibilidade de expansão para atender novas demandas de clientes e para futuras instalações e inovações tecnológicas a serem instaladas. Por outro lado, deve-se ter a preocupação com a funcionalidade entre os setores da unidade trabalhando o fluxo dos processos e de circulação de pessoas e materiais, deixando a clínica ou hospital mais funcional. O Arquiteto durante a fase de interiores e de decoração deve redobrar a atenção, pois nem todos os materiais de decoração são permitidos pela vigilância sanitária. Existem materiais específicos para cada tipo de acabamento, revestimentos e mobiliários que é determinado por lei e que deve ser respeitado e atendido. As normas da ANVISA e de Arquitetura Hospitalar existem para ajudar a estabelecer padrões, como no controle de infecções, contribuindo com isso em ambientes mais saudáveis, onde quem ganha são os usuários. 

Por fim, e não menos importante, todo projeto de Arquitetura de Clínicas e Hospitais devem ser humanizados.  A humanização hospitalar é hoje o compromisso dos principais centros médicos do Brasil, para melhorar a permanência dos pacientes durante o período de tratamento e estimular o trabalho dos profissionais envolvidos. Faz parte deste processo, além de tratamentos e cuidados dignos, a preocupação em tornar os espaços físicos em áreas aconchegantes e seguras. 

 
ALTERNATIVAS E RECOMENDAÇÕES

A partir de análises e estudos acadêmicos foi possível traçar recomendações e alternativas projetuais para os quartos e banheiros das unidades de internação e também no planejamento de futuras unidades de saúde. Foram organizadas em cinco quesitos: dimensão, mobiliário, conforto ambiental, humanização e materiais de acabamento. Apesar de existirem muitos outros aspectos que também poderiam ser considerados, esses despontaram nos estudos como sendo de grande relevância para a qualidade desse setor de Saúde. 

 
DIMENSÃO 

A RDC 50 (ANVISA, 2002), norma que atualmente regulamenta o projeto de estabelecimentos assistenciais de saúde, determina que os banheiros sejam acessíveis para cadeirantes e orienta também que seja aplicada a NBR 9050 (ABNT, 1994) no planejamento desses locais, de forma a assegurar a acessibilidade física. No que se refere aos quartos, no entanto, a área exigida pela RDC 50 (ANVISA, 2002) corresponde às condições mínimas necessárias à sua utilização, e não às condições ideais de conforto, por exemplo, para a movimentação de macas e cadeira de rodas. A norma prevê uma área mínima de 10 m² para quartos de um leito, 7 m² para quartos de 2 leitos e 6 m² para 3 ou mais leitos. Recomenda-se, para um correto dimensionamento dos quartos, não se ater às áreas mínimas propostas pela norma, dando-se preferência a dimensões superiores, definidas a partir da definição das atividades que serão efetivamente realizadas, do mobiliário e equipamentos a serem utilizados no ambiente e do perfil dos futuros usuários. Por exemplo, na ala de internação dos estudados havia pacientes com obesidade em recuperação pós-cirúrgica, para os quais o tamanho exíguo do local compromete duramente as condições de conforto e uso. 

 
MOBILIÁRIO E EQUIPAMENTOS
Clínica Dra. Tamara Toledo.

Clínica Dra. Tamara Toledo.

O mobiliário dos quartos de internação deve ser ergonômico, de fácil higienização, deslocamento e manuseio, diminuindo a dependência dos pacientes em relação à ajuda de terceiros para seu uso e mesmo o esforço físico frequentemente despendido pelos funcionários no atendimento ao paciente ou mesmo na realização das atividades de limpeza e manutenção. Além disso, os móveis devem, sempre que possível, apresentar cantos arredondados evitando qualquer tipo de ferimento caso haja colisão acidental com o usuário. Evitar materiais porosos e com tecidos em revestimentos, dando preferência a materiais vinílicos, pedras naturais e materiais com superfícies lisas.  

Em clínicas médicas de Alto Padrão, o mobiliário na área de recepção e atendimento tende a ser cada dia mais convidativo e com uma aparência mais requintada, como o de SPA Urbano. O Ambiente mais humanizado aconchegante costuma deixar o paciente mais calmo e seguro para o tratamento o qual foi buscar na clínica. 

 
 
CONFORTO AMBIENTAL 
Clinica Dra. Tamara Toledo.
Clínica Dra. Tamara Toledo.

O conforto ambiental confirmou-se como questão de grande relevância do ponto de vista dos usuários em estudos feitos e sua efetivação pressupõe que ele seja considerado desde momentos preliminares do planejamento até soluções de acabamento e detalhamento da edificação. Por ser um tema amplo, iremos destacar algumas estratégias, mais estreitamente relacionadas a projetos de unidades de internação e de atendimento médico. São elas:

Facilitar o controle dos pacientes e usuários sobre as condições de conforto térmico, especialmente tendo-se em vista os de estado fragilizado, através, por exemplo, do fácil manuseio das aberturas (janelas e portas) com uso de automatização ou mesmo proximidade com os mesmos.Favorecer sempre que possível o aproveitamento dos recursos naturais de iluminação e ventilação, por questões de sustentabilidade, por serem preferidos pela maioria das pessoas e ainda pela otimização de custos.

 Nos quartos de internação indica-se o uso de diferentes tipos e intensidades de iluminação, dentre as quais: iluminação geral, para leitura, exame e vigília.

 A iluminação geral deve ser preferencialmente difusa, evitando o ofuscamento dos pacientes, e dispor de interruptores do tipo paralelo, que podem ser acionados confortavelmente por usuários posicionados em distintos pontos do quarto;

 Verifica-se a necessidade de uma iluminação com foco local para uso nas atividades de interesse de cada paciente, como leitura, e uma iluminação móvel para a realização de exames, com elevado índice de reprodução de cores e posicionada junto à cama.

 Como os pacientes podem necessitar locomover-se no quarto durante a noite, é necessário haver iluminação de vigília, posicionada junto ao piso ou a até 50 cm de altura do mesmo. A posição dessas luminárias deve permitir identificar o contorno do quarto, bem como os obstáculos, sem causar desconforto aos demais ocupantes que possam estar repousando.

 As luminárias destinadas à leitura, exames e vigília devem preferencialmente ter interruptores situados nas proximidades de cada leito, facilitando seu acesso.

 Novas edificações hospitalares deveriam idealmente instalar-se em locais pouco ruidosos. Além disso, as alas com maior intensidade de fluxo e barulho, como cozinha, lavanderia e manutenção, devem ser locadas o mais afastado possível daquelas cujos usuários necessitem tranquilidade durante a permanência no hospital, como a internação.

 Para ambientes de internação hospitalar também podem ser utilizadas técnicas de isolamento, como placas acústicas, paredes duplas e esquadrias especiais. Pode-se ainda explorar a absortividade dos materiais, através da escolha adequada de acabamentos e móveis que não reflitam as ondas sonoras ou que evitem que essas se propaguem. No entanto, materiais de alta absorção acústica são normalmente porosos e/ou fibrosos, como carpetes e tecidos, o que, devido a sua dificuldade de higienização, reduz a viabilidade de sua utilização em hospitais. Em situações que se deseje um melhor resultado acústico, tem-se a opção de utilizar nos pisos a manta vinílica em detrimento de revestimento com pedra ou cerâmica.

No caso de Clínicas Médicas os mesmo preceitos se aplicam, porém atendendo a necessidade específica de cada tipo de tratamento a ser oferecido. 

Clínica Dra. Tamara Toledo.
Clínica Dra. Tamara Toledo.

 

 
HUMANIZAÇÃO
 
Clínica Dr. Alexandre.
Clínica Dr. Alexandre.

 

 
A humanização dos ambientes, isso é, sua capacidade de proporcionar conforto, bem-estar físico e emocional para todos que o utilizam pode ser relacionada a inúmeros fatores, dentre os quais serão aqui destacados: controle e territorialidade, privacidade, integração interior-exterior, suporte social e estimulação sensorial. Nesse sentido, seguem algumas recomendações:
 
Devem-se proporcionar ao paciente as melhores condições possíveis de controle sobre o ambiente, contribuindo para sua autonomia e segurança, e facilitando o trabalho dos funcionários. Como exemplo, pode-se garantir que os controles dos aparelhos de televisão, rádio, interfone, entre outros, estejam ao seu alcance, posicionando-os nas proximidades do leito, sem exigir um grande esforço corporal para alcançá-lo.
 
Clinica Dr. Alexandre.
Clínica Dr. Alexandre.

Permitir a personalização do local e a ocorrência de comportamento territorial, por exemplo, dispondo nos quartos os móveis nos quais se possam expor objetos pessoais do paciente, como prateleiras ou criado-mudo para acomodar porta-retratos ou flores.

Favorecer as condições de privacidade, dando oportunidades para o isolamento tanto quanto para a interação social, de forma que o indivíduo tenha a possibilidade de escolha. Influem nesse atributo ambiental a organização e compartimentação do edifício como um todo, por exemplo, priorizando-se a adoção de quartos e banheiros privativos, a organização do layout dos móveis e a adoção de elementos como biombos ou cortinas em material apropriado, no caso de quartos coletivos.

 
Proporcionar integração interior-exterior, por meio de visuais interessantes a partir do leito, janelas com peitoril baixo, jardins internos e espaços abertos como sacadas, terraços e solários de fácil acesso pelos usuários.
 
Prever locais dentro dos quartos para a acomodação de visitantes e na edificação como um todo para atividades de descanso, relaxamento e/ou convívio social, como: salas de espera e estar, cafés, biblioteca, espaços de meditação, solários, entre outros.
 
Promover a estimulação sensorial, evitando-se ambientes monótonos, repetitivos, com pouca legibilidade ou orientabilidade. Explorar diferentes cores, materiais e formas, bem como criar boas condições de comunicação visual, em especial de sinalização, ajustando-se ao perfil e necessidades dos pacientes.
 
Por exemplo, pacientes em tratamento para depressão podem demandar ambientes mais estimulantes em relação a pacientes recém-operados, que precisam de maior tranquilidade e calma.
 
Pode-se ainda dispor de objetos artísticos e decorativos como esculturas, desde que as mesmas não constituam obstáculo para o deslocamento do pacientes nem para o trabalho do staff.


MATERIAIS DE ACABAMENTO 

Seguem abaixo algumas orientações em relação aos materiais de acabamento a serem utilizados em unidades de internação, sendo as mesmas válidas para ambientes de saúde em geral. Essas recomendações fundamentam-se nos resultados obtidos em estudos que evidenciaram a dificuldade em realizar a adequada manutenção dos espaços de saúde, evidenciando a importância em se optar por materiais de grande durabilidade, mantendo em boas condições mesmo com o uso constante e com contato frequente com a água e com produtos de limpeza. Além disso, as recomendações fundamentam-se também na RDC 50 (ANVISA, 2002), os quais além da resistência evidenciam a importância de que os materiais escolhidos permitam fácil higienização e dificultem o acúmulo de sujeira

 
Piso 
Clínica Dra. Tamara Toledo.
Clínica Dra. Tamara Toledo.

O piso deve ser agradável ao toque, absorver ruídos, ser antiderrapante e de fácil manutenção. Além disso, não é recomendável que seja muito reflexivo, pois pode causar ofuscamento em situações de maior intensidade luminosa. Recomenda-se que sejam minimizadas juntas, devido a serem locais propícios ao acúmulo de sujeira, de difícil impermeabilização e de reduzida resistência. Além disso, as juntas podem ocasionar a trepidação de equipamentos comumente utilizados nessas áreas, gerando ruídos indesejáveis (BICALHO; BARCELLOS apud CARVALHO, 2002).

Entre os materiais preferenciais para pisos em hospitais encontram-se a manta vinílica e o granito, esse último deve ser impermeabilizado e com baixa porosidade. O uso de tapetes e carpetes não é recomendável, pois mesmo sendo frequente em outros países, ainda não há no Brasil condições técnicas e econômicas favoráveis à sua adequada manutenção, aumentando o risco de infecção hospitalar.

Pode-se explorar o contraste entre piso e parede, e parede e teto, com uso de tonalidades e/ou matizes diferenciadas em cada plano, de forma a contribuir para a legibilidade dos ambientes, embora esse atributo seja determinado não apenas por escolhas relativas ao acabamento interno, mas pela configuração espacial do edifício como um todo. Pode-se ainda utilizar rodapés com cor contrastante aos planos adjacentes, ou uma borda de piso de cor diferenciada em todo o perímetro. 

Parede

As tintas impermeabilizantes elaboradas a base de epóxi, PVC, poliuretano ou similares podem ser utilizadas na maioria dos ambientes hospitalares, desde que sejam resistentes à limpeza. O acabamento de paredes deve ser monolítico e sem texturas. O uso de bate-macas é muito importante para aumentar a durabilidade do acabamento das paredes, e impedir que fiquem facilmente manchadas ou sujas (BICALHO; BARCELLOS apud CARVALHO, 2002). 

Forro

O forro e a proposta de iluminação natural e artificial podem ser explorados esteticamente, visto que compõem um importante plano de visualização para pacientes acamados.

Nos quartos de internação é possível utilizar forros removíveis, desde que não interfiram na assepsia do ambiente deixando partículas passar por entre as frestas de seus encaixes. Além disso, também deve apresentar boa resistência ao processo de limpeza. Outro material possível de ser utilizado é o gesso, preferencialmente com aplicação de tinta lavável, pois possui acabamento monolítico e possibilita a manutenção das instalações aéreas a partir de pequenos recortes facilmente recuperáveis (BICALHO; BARCELLOS apud CARVALHO, 2002).

 
Projetos de Clínicas e Hospitais de Alto Padrão em Passos MG 
 
Clínica Dr. Tiago Botrel
Clínica Dr. Tiago Botrel.

O escritório Lopes de Moura Studios, com Bruno Lopes e Rodrigo Moura como proprietários, possui grande experiência nesta área. Com Projetos na área médica como a reforma do Hospital Otto Krakauer, Recanto Geriátrico, Fundação Beneficente São João da Escócia, Recepção da Santa Casa de Misericórdia de Passos, clínica recepção do Hospital São José, projeto da clínica da Doutora Tamara Toledo Cheraim, projeto da nova instalação da Clínica Dermatológica Doutora Graziella Castro Ribeiro do Valle, Clínica Santa Apolônia Odontológica, consultório médico Doutor Tiago Botrel, Clínica EDUCAR de Fisioterapia e Educação Corporal de Caroline e Eduardo Negrão, dentre outros em seu portfólio de obras. 

 

Projeto 1

Recepção da Santa Casa de Passos.
Recepção da Santa Casa de Passos.

A Santa Casa de Passos, hospital de referência do Sudoeste Mineiro, nos convidou para projetar sua nova recepção e lounge de espera com espaço de 250 metros quadrados para serem remodelados.

Tivemos como ponto inicial as observações fornecidas pelos clientes que gostariam de um ambiente moderno que refletisse a vanguarda do hospital para a região, como também um ambiente de espera sereno, calmo e contemporâneo como um saguão de hotel SPA, pois como sabemos este espaço já é um local de muita tensão e tristeza para os pacientes e visitantes.

Partindo deste principio, criamos um desenho moderno com curvas e linhas sinuosas que tiram a rigidez de uma recepção de hospital. Fugimos das costumeiras cores de hospitais como as cores pasteis e florais e introduzimos cores alegres e mais vibrantes com toques amadeirados para criar conforto e acolhimento. Introduzimos cores escuras em locais de alto tráfego, pois sabemos que materiais claros em locais assim criam aspecto de manchado e sujo com o tempo.

Usamos dois tipos de porcelanatos italianos amadeirados para criar um tapete em marchetaria no local de permanência dos pacientes.

Introduzimos jogos de sombras e luz para criar conforto visual e sentimento de casa e acolhimentos. Nos locais de permanência, usamos os móveis como divisórias naturais para conduzir o paciente dentro desse ambiente evitando as previsíveis cancelas de vidro e inox. Decoramos as prateleiras e ambientes com objetos feitos em metais martelados para que remetessem os pacientes a um SPA oriental e calmo. Algumas plantas foram incorporadas nos móveis do ambiente para tirar a previsibilidade do seu uso e desenho. 

Recepção da Santa Casa de Passos.
Recepção da Santa Casa de Passos.
 
Recepção da Santa Casa de Passos.
Recepção da Santa Casa de Passos.

 

 

 

Projeto 2 

Clínica Dra. Tamara Toledo.
Clínica Dra. Tamara Toledo.

Fomos convidados a criar uma clínica médica de Alto Padrão para os clientes Dra. Tamara Toledo Cheraim e André Cheraim de quase 400 metros quadrados no rico interior Mineiro.

Deram-nos como diretrizes um espaço dedicado à medicina estética e tudo que a envolvesse. Os clientes gostariam que a clínica refletisse sofisticação e tradição, que fosse um ambiente clean, porém com traço clássico e contemporâneo.

Na fachada criamos jogos de volumetrias modernas, iluminadas e destacadas com fitas de leds modernas e de baixo consumo, onde a monumental fachada passa contemporaneidade e tradição com sua simetria regular e volumétrica.

Usamos tons de cinza, branco e azul juntamente ao Mármore de Carrara para criar um jogo interessante de volumes e texturas.

Uma Porta Pivotante de 5 metros recepciona os clientes com um sistema moderno de câmeras e segurança automatizados os abrigando num volume criado na fachada simétrica e moderna.  

Neste projeto usamos Boiseries em tom azul petróleo juntamente ao mármore de Carrara Branco e tons de off white e bege nos porcelanatos italianos, além dos tons de bronzes e ouro envelhecidos nas peças de decoração.

A recepção recebeu duas claraboias de iluminação indireta com um pé direito de 6,5 m cada uma, dando durante o dia iluminação suficiente para tornar o ambiente eficientemente iluminado eliminando o uso desnecessário de iluminação artificial.

Criamos um frontão e balcão em mármore de Carrara branco clássico/modernista de quase 6 metros de comprimento por três metros de altura complementados até o teto por espelhos bisotados dando ao pé direito de 6 metros e meio um grande centro de foco de atenção.

Para finalizar, erguemos um pendente cravejado em cristais com 1,55 metros de altura para trazer brilho e sofisticação dos ambientes com um desenho clássico de Hollywood antigo para recepção. Uma Televisão de 50 polegadas foi escondida por um espelho bronze dentro do frontão com um moderno sistema elevatório de TV para manutenções.  

As três secretárias receberam um sistema de comunicação geral interno com câmeras em HD e comunicação externo-interna para que os trabalhos das mesmas fossem maximizados. Um grande arquivo foi criado no Frontão para auxiliar no seu dia-dia.

Grandes Poltronas com desenhos modernos ganharam roupagem mais clássica para criar o contraste sugerido pelos clientes.

Plantas com 2,5 de altura recepcionam os clientes juntamente a peças clássicas de decoração.

Uma copa completa foi criada para servir exclusivamente os clientes, onde o mordomo pode servir um café expresso, água e até mesmo uma água perfumada para o cliente que espera seu atendimento.

Todas as portas internas da recepção como no palácio de Versalhes receberam espelhos. Uma segunda sala íntima foi criada para que os clientes que passaram por seu procedimento pudessem esperar e receber o atendimento do mordomo e cuidados especiais resguardados da recepção. Nesta sala lavabos e um jardim com claraboia interna são agraciados com o barulho calmo de uma fonte de água e a iluminação indireta solar.

Todos ambientes são ambientados com 18 graus de temperatura com sistema de ar condicionado inverter, muito mais econômico e eficiente tendo controles de iluminação além de um sistema de temperatura dentro de cada ambiente individual.

Além das quatro salas de procedimentos a clínica conta com uma sala de administração resguardada para que os clientes façam seus acertos financeiros.

Todas as salas possuem um sistema moderno de som embutido tornando o ambiente mais agradável. Banheiros adaptados a idosos e cadeirantes, gavetas com abertura a toque de cotovelos para evitar contaminação e entradas USB nas tomadas para smartphones e tablets.  

Clínica Dra. Tamara Toledo.
Clínica Dra. Tamara Toledo.

 

Clínica Dra. Tamara Toledo.
Clínica Dra. Tamara Toledo.

 

 
 

Estes projetos podem ser visualizados no site: www.lopesdemoura.com.

Para mais informações acesse www.lopesdemoura.com ou pelo facebook: Lopes de Moura.

 

Clínica Dr. Alexandre.

© Copyright 2013 Foco Magazine

by Mediaplus