Turismo

Você está em: Home, Turismo, A experiência de morar em diversos países

Junho de 2016

A experiência de morar em diversos países

A advogada passense Viviane Vasconcelos Vilela conheceu vários lugares do mundo e chegou a morar em seis países. Ela fala sobre a experiência de ter conhecido tantos lugares e como foi ter aprendido um pouco sobre a cultura de cada nação.

Viviane Vasconcelos na Cidade do México - Metro City.

 

 
Castelo em Sirmione, uma das pequeninas cidades do Lago di Garda, onde Viviane morou.

O gosto por viagens internacionais surgiu depois de ter feito intercâmbio para a Inglaterra, onde passou três semanas em Hastings: “Foi uma experiência maravilhosa”, conta a advogada.

Viviane morou nos Estados Unidos, Guatemala, Portugal, África do Sul, Itália e Peru e conheceu vários outros países como turista. Ela afirma “que viajar é uma herança genética, já que toda sua família gosta e viaja muito".

 
Teleférico para o alto da montanha em Park City com sua irmã Virgínia (à dir.).

A advogada destaca algumas das experiências mais marcantes e inesquecíveis que viveu fora do país: “Foi nos Estados Unidos, em Park City, no estado de Utah, que vi a neve pela primeira vez, flocos de algodão caindo mansamente do céu, no dia do meu aniversário, meu melhor presente! Fazer safári, no Kruger Park, na África do Sul: ver os animais de perto, em seu habitat natural, leões, elefantes, girafas, zebras, é incrível. Veneza, na Itália, é única, linda. O passeio de gôndola, ao som de músicas italianas, é obrigatório, tive a honra de fazer este passeio com minha mãe, Nice. Aída, na Arena di Verona, imperdível. Entrar no Coliseu é uma grande emoção.” 

 
Gôndola de Veneza.

 

 
 
Viviane com sua mãe Nice no Coliseu, quando da ida do grupo de Passos para beatificação do Padre Anibale.
Palabora, onde morou, na África do Sul.

 

 

 

 

Indagada sobre como as experiências que viveu no exterior contribuíram para a formação da pessoa que ela é hoje, Viviane afirma que morar fora do Brasil foi determinante para a construção de sua autoconfiança. “Viver no exterior é um desafio diário, que nos permite descobrir e desenvolver habilidades em nós mesmos que farão diferença em nossa vida futura. Novas experiências, novas pessoas, novos lugares, nova alimentação, é uma riqueza que fará parte de nossa vida e nossas memórias para sempre.”  

Arena di Verona, ópera Aída.

 

Viviane em Antigua, Guatemala com Lizzie.

De acordo com Viviane, a maior dificuldade para a pessoa que pretende morar no exterior é sair da zona de conforto, deixar a família e tudo que lhe é familiar e correr o risco de falhar. “A pessoa nunca saberá até tentar. Meu lema é tentar sempre e, se fizer algo e falhar, sem problemas, sigo em frente.” 

Advogada nas áreas civil e trabalhista, Viviane também presta assessoria em viagens educacionais, como “observership” para médicos, ensino médio, pós-graduação, mestrado e intercâmbio no exterior.
 
 
Por gostar de conhecer outras culturas, Viviane diz que a adaptação em diferentes países não foi difícil para ela. “A ansiedade da mudança é natural, é importante a pessoa se preparar para o choque cultural, tudo é diferente, alimentação, hábitos, roupas e, em alguns casos, até mesmo o lado de dirigir. Ter um objetivo - como um curso - facilita a adaptação.
 
Antigua, na Guatemala.

Um dos aspectos que merece mais atenção é a segurança pessoal. Geralmente não reconhecemos o perigo em outras culturas, mas é importante se manter alerta; os perigos lá fora são os mesmos do Brasil. Procurar conversar com os moradores, vestir-se como os costumes, evitar chamar atenção sobre si mesmo usando coisas caras, não aceitar carona; com o tempo irá se familiarizar com os perigos. 

 
 
 
Dicas para quem pretende morar no exterior na visão de quem morou em seis países:
 

Inteirar-se profundamente sobre a cultura do país a ser visitado, suas normas de etiqueta, comportamento e o que é ofensivo para eles, especialmente gestos. 

 
Viajar nos finais de semana, não perder a oportunidade de explorar tudo que o país puder lhe oferecer.  
 
Fazer cópias de documentos, carregar carteira falsa, ter à mão telefones que possa precisar: emergência, polícia, táxi, chaveiro, embaixada, cartões de crédito.
 
No Facebook da LV - Viagens Educacionais há várias dicas sobre comportamento no exterior. (facebook/intercambiolv).
 
 
Renato Rodrigues Delfraro
Antigua na Guatemala com Lizzie.

© Copyright 2013 Foco Magazine

by Mediaplus