Saúde

Você está em: Home, Saúde, O mal das queimadas

Outubro de 2017

O mal das queimadas

Acidental ou criminoso, o fogo em terrenos baldios e matas causa muito mais que danos ambientais; a fumaça e seus gases tóxicos afetam seriamente a saúde das pessoas.

 

A pneumologista Lucia Maria Macedo Ramos
A pneumologista Lúcia Maria Macedo Ramos: “Sinto também que precisamos de mais educação e informação para evitar os focos de queimadas.”
 

Muito comum na cidade e na zona rural no período da seca, as queimadas de vegetação podem causar sérios danos na saúde das pessoas e até agravar doenças pulmonares crônicas. Esses males são provocados pelos gases tóxicos presentes na fumaça e afetam principalmente as crianças e os idosos, segundo a pneumologista Lúcia Maria Macedo Ramos. 

“Sinto angústia pelas pessoas que ficam doentes nesta época por causa de um problema que poderia ser evitado. Sinto também que precisamos de mais educação e informação para evitar os focos de queimadas”, comenta a médica.
 
Em Passos, o problema é tão preocupante que a cada dois dias, pelo menos, um incêndio em vegetação é registrado pelo Corpo de Bombeiros, sem contar os inúmeros casos provocados por moradores em seus próprios quintais para se livrarem de mato e lixo. De 1º de abril a 12 de setembro, meses de seca intensa, foram 102 ocorrências atendidas pelos Bombeiros (leia na página 32).
 
O fogo na vegetação causa danos não somente para o meio ambiente, como toda a sua fauna e flora. O próprio ser humano é intoxicado com a fumaça e seus gases carregados com substâncias químicas, algumas altamente maléficas para a saúde.
 
Segundo a doutora Lúcia Macedo, as pessoas em contato com a fumaça apresentam ressecamento e irritação das vias aéreas superiores, como rinite, sinusite, faringite e laringite. Outro órgão afetado são os olhos, provocando conjuntivite. O problema é maior ainda para quem já sofre de alguma doença crônica, como alergias, asma, bronquite e DPOC (Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica), que ficam exacerbadas (agravam-se) por causa da fumaça. 
 
E para sofrer esses efeitos nocivos a pessoa nem precisa estar próxima do local das chamas. Já quem está perto do fogo, como os bombeiros durante a missão de apagá-lo, devem se proteger com máscaras adequadas contra a inalação da fumaça. “O contato próximo e frequente com a queima de biomassa pode provocar enfisema pulmonar ou DPOC”, adverte a médica.
 
Fogo consumindo a Mata da Biquinha
Fogo consumindo a Mata da Biquinha, área de preservação ambiental.

 

 
 

MAIS DOENTES

 
O mal que as queimadas combinadas com o ar seco do inverno fazem para a saúde da população se materializa em aumento do número de pacientes nos consultórios médicos. Eles se queixam de crises respiratórias (as doenças mencionadas anteriormente), causadas ou agravadas pela fumaça do fogo na vegetação. 
 
“Nos meses secos e com muitas queimadas, os pacientes geralmente têm mais crises respiratórias do que no frio. Por exemplo, esse ano, mesmo com o frio que Passos teve nos meses de junho e julho, o movimento de pacientes no consultório agora (setembro) ainda é maior. Os pacientes só começam a ter alívio dos sintomas em outubro, quando inicia o período chuvoso”, explica Lúcia Macedo.
 
Dentre os doentes, os mais afetados são os extremos de idade, isto é, crianças e idosos, segundo a pneumologista. “As crianças e idosos são mais sensíveis, e os idosos ainda mais, porque costumam ter outras doenças associadas. Quem sofre mais também são os pacientes portadores de doenças crônicas como asma, DPOC e alérgicos respiratórios”, acrescenta.
 
 
SINTOMAS
 
Com as nuvens de fumaça das queimadas tomando conta da atmosfera de Passos praticamente todos os dias, os moradores devem ficar atentos aos sintomas que indicam a possibilidade de terem se intoxicado: “Tosse seca, falta de ar, às vezes chiado e dor no peito. A inalação próxima de fumaça pode provocar insuficiência respiratória aguda, que é grave e pode ser fatal”, alerta a médica.
 
Com essas informações da doutora Lúcia Macedo, as pessoas podem ficar mais cuidadosas e se prevenirem contra as queimadas, pois todas elas são potenciais riscos para a saúde. “Mas a fumaça da queima de alguns materiais, como esponjas ou plásticos, é mais nociva, pois libera cianeto, que é uma das substâncias mais venenosas que existe. É só nos lembrarmos do incêndio na boate Kiss”, adverte a pneumologista, referindo-se à tragédia ocorrida em 23 de janeiro de 2013, em Santa Maria (Santa Catarina), e que matou 242 pessoas, a maioria sufocada pelo cianeto.  
 
O incêndio da boate Kiss foi acidental, conforme apuraram as autoridades, mas as queimadas em terrenos, áreas verdes e matas muitas vezes são provocadas pelo homem, conforme suspeitam os bombeiros, por causa de sua falta de preocupação com o mal que elas causam. 
 
Por conta disso, a pneumologista faz uma recomendação: “Para as pessoas que provocam queimadas em qualquer lugar, seja no campo, no terreno baldio ou no quintal de casa dentro de uma lata: é preciso ter empatia e compaixão pelo seu próximo e saber se colocar no lugar do outro. Há muitos que sofrem com as queimadas, e precisamos evitá-las pelo bem das pessoas, dos animais e da natureza”. 

Para finalizar, a médica dá uma dica de saúde: “hidratar-se com no mínimo dois litros de líquidos (água, sucos naturais, água de coco) ao dia e lavar os olhos e nariz com soro fisiológico”.  

.
Incêndio em propriedade rural nos fundos do Bairro Casarão.

 

 

 
 

QUEIMADAS PODEM SER CRIMINOSAS
Num dos casos registrados, um homem foi preso pela Polícia Ambiental.
 

Sargento Fernando Paulo de Oliveira.
Sargento Fernando Paulo de Oliveira.

 

No período de 1º de abril a 12 de setembro deste ano, a 2ª Companhia do Corpo de Bombeiros atendeu 102 ocorrências de incêndio em vegetação no município de Passos. O fogo foi ateado em lotes vagos na área urbana, em pastagens na zona rural e em margens de rodovias. Segundo o sargento Fernando Paulo de Oliveira, secretário da 2ª Companhia, as suspeitas são sempre de que as causas dos incêndios são criminosas, mas é grande a dificuldade de identificar os responsáveis.

Em setembro, porém, um homem foi preso sob suspeita de ter provocado uma queimada numa extensa área rural entre a rodovia MG-050 e o Corredor São Domingos nos fundos do Bairro Casarão. O sargento Fernando disse que, ao atenderem à ocorrência, os bombeiros deram voz de prisão ao suspeito e acionaram a Polícia Militar de Meio Ambiente para conduzi-lo à Delegacia de Polícia Civil.
 
Os incendiários estão sujeitos à lei que trata de crimes ambientais (lei federal 9.605/98), nos termos do artigo 41, que estabelece pena de dois a quatro anos de reclusão e multa para quem colocar fogo em mata ou floresta.
 
“A gente suspeita de que todos os incêndios em vegetação são criminosos, porém é muito difícil pegar o incendiário”, lamenta o sargento. 
 
Outra queimada que pode ter sido criminosa aconteceu no final de agosto na “Mata da Biquinha”, uma área de proteção ambiental na região do Bairro Penha. Segundo um vizinho do local, pedreiros que trabalhavam numa obra em frente à mata viram dois homens ateando o fogo e fugindo em seguida.
 
Mata da Biquinha
Queimada na Mata da Biquinha, vegetação destruída, animais morrem ou fogem de seu habitat.

 

 
 
Outro incêndio de grandes proporções e que também cobriu a cidade de Passos com fumaça e cinza ocorreu em 20 de agosto, em terras da Usina Itaiquara. As chamas consumiram uma área de 200 hectares de cana de açúcar, 50 hectares de mata e 200 hectares de pastagem, além de danificar antenas de rádio e internet, segundo o sargento bombeiro. 
 
 
Enio Modesto

© Copyright 2013 Foco Magazine

by Mediaplus