Saúde

Você está em: Home, Saúde, Dia da Secretária: Uma homenagem especial

Outubro de 2017

Dia da Secretária: Uma homenagem especial

Em homenagem ao DIA DA SECRETÁRIA, a FOCO entrevistou duas secretárias de médicos para conhecer um pouco mais do seu dia-a-dia e o valor de seu trabalho. Provavelmente, muita gente não sabe que a secretária de médico faz muito mais que atender o paciente para a marcação de consultas; outras atribuições a tornam essencial para o bom funcionamento do consultório.
 
Marcia Silva
Márcia Silva, Secretária há 20 anos: “Só na área de gerenciamento já fiz cinco cursos, o que me ajuda no trabalho, abre a visão para um bom atendimento ao médico e aos pacientes, e ainda quero fazer uma pós-graduação na área hospitalar.”

Anualmente, no dia 30 de setembro, é comemorado em todo o mundo o Dia da Secretária, profissional reconhecida pela importância de seus serviços em diversos ramos da atividade econômica. Nos consultórios médicos, por exemplo, as secretárias cuidam da marcação das consultas e por isso são uma espécie de elo entre os pacientes e o médico. No entanto, suas funções vão muito além da organização da agenda de atendimento. 

As secretárias de médico garantem o bom funcionamento do consultório, prestando uma recepção aos clientes e oferecendo as condições para o médico fazer seu trabalho com tranquilidade. São a presteza e a eficiência delas que conferem um ambiente agradável ao consultório e um serviço de qualidade que irá contribuir para a fidelidade da clientela.
 
Márcia Silva e Márcia Edneia Dalossi trabalham há 20 e 10 anos, respectivamente, nos mesmos consultórios, cuidando de dezenas de milhares de fichas de pacientes cadastrados desde muitas décadas atrás. Essa dedicação, segundo elas, é movida pelo prazer com o trabalho e pelo compromisso de acolher e ajudar as pessoas a terem as condições adequadas para tratar a saúde.
 
Márcia Silva, que já trabalhou em escritório de contabilidade e na recepção de hospital, acredita que irá se aposentar como secretária de médico. Em janeiro de 2018, ela completa 20 anos de trabalho para o otorrinolaringologista Roberto Pereira Soares Maia, onde cuida de um cadastro com mais de 60.400 pacientes.
 
 
QUALIDADE
 
Por gostar tanto do trabalho, Márcia Silva sempre procurou prestar um serviço de qualidade. Para isso, ela investe em estudos, tendo já se formado tecnóloga de gerenciamento geral, o que tem sido um diferencial na administração do consultório. “Só na área de gerenciamento já fiz cinco cursos, o que me ajuda no trabalho, abre a visão para um bom atendimento ao médico e aos pacientes”, conta, dizendo que ainda quer fazer uma pós-graduação na área hospitalar.
 
Márcia Edneia Dalossi trabalha a poucos metros da colega e xará num tradicional edifício comercial do centro de Passos. Seu patrão nesse período todo é o oftalmologista Wesley Ribeiro Campos. Para ela, que tem sob sua responsabilidade um cadastro com mais de 43 mil pacientes, a satisfação é de lidar com as pessoas, especialmente as idosas. “Eu gosto de acolher as pessoas, principalmente as mais velhas”, ressalta.
 
Segundo Márcia Dalossi, sua atuação comunitária na Pastoral da Saúde da igreja contribui para que seu trabalho seja mais uma missão. “Quando se faz o bem ao próximo, a recompensa é você quem recebe”, afirma. “Minha satisfação é lidar com as pessoas. Com empatia, é preciso entender a situação de cada paciente; os idosos, por exemplo, gostam de contar histórias e é preciso ouvi-los com o coração”, acrescenta. 
 
 
ENCAIXE
 
 
Marcia Dalossi
Márcia Dalossi, Secretária há 10 anos: “Minha satisfação é lidar com as pessoas. Com empatia, é preciso entender a situação de cada paciente; os idosos, por exemplo, gostam de contar histórias e é preciso ouvi-los com o coração.”

Um fato comum pelo qual muita gente já passou e muita ainda irá passar é quando o paciente quer marcar a consulta em cima da hora e pede para ser “encaixado num horário”. Isso, segundo as duas secretárias, é um dos principais problemas que uma secretária de médico se vê obrigada a resolver praticamente todos os dias. “Eles querem (a consulta) para ontem”, diz Márcia Dalossi.  

 
A saída, de acordo com elas, é o famoso “jogo de cintura”, conforme cada situação específica, de forma a não frustrar o paciente e nem prejudicar quem estava “agendado”.
 
“Os que estão doentes mesmo nem ligam, vêm direto ao consultório”, diz a secretária do Dr. Roberto, do alto de suas quase duas décadas de experiência. Márcia Silva explica que procura confiar na alegação das pessoas, principalmente quando se referem a pacientes mais necessitados, e tenta “encaixá-los” num horário ou data mais próximos possíveis, sem prejuízo de quem marcou a consulta com antecedência.
 
A secretária do Dr. Wesley também é rigorosa com a agenda do consultório e analisa caso a caso quando o paciente pede a consulta para o dia. “Se for mesmo urgente, existe a possibilidade de encaixar na agenda, mas se não tiver jeito mesmo eu explico que vou tentar uma vaga o mais breve possível”, disse. 
 
 
OUTRAS FUNÇÕES
 
As secretárias de médico, no entanto, esclarecem que o trabalho num consultório não é apenas organizar a agenda. Elas também têm que providenciar todos os recursos para que a sala esteja pronta para o trabalho do médico, com o equipamento e aparelhos em condições de serem usados, assim como os medicamentos e qualquer outro objeto necessários para uma boa consulta.
 
São também as secretárias que cuidam dos encaminhamentos de cirurgias de pacientes e do controle das cotas mensais dos convênios com os planos de saúde. Esse controle das cotas é importante para que a agenda de consultas possa ser planejada para o mês todo, arranjando espaço para os conveniados e os particulares.  
Com a agenda organizada, as secretárias evitam marcação de consultas nas datas em que o médico não poderá atender, por exemplo, quando tiver um congresso programado. “Isso é importante para evitarmos cancelamento de consultas na última hora”, explica Márcia Silva.
 
Outras situações que as secretárias têm que lidar na rotina de um consultório médico são a impaciência de algumas pessoas com o horário e até com constrangimentos. “Hoje com a vida corrida, as pessoas ficam ansiosas por esperar”, observa Márcia Dalossi.  “(Os pacientes) deveriam se lembrar de que a consulta médica não pode ser cronometrada, pois alguns pacientes necessitam mais tempo que outros, pela gravidade de seus problemas e isso pode atrasar a agenda”, explica Márcia Silva. 
Há ainda, segundo a secretária do Dr. Roberto Maia, outros casos de incômodos comuns em consultórios médicos que poderiam ser evitados. “Tem paciente que já chega e pergunta se a consulta vai demorar, se o médico está atrasado, pergunta a senha do Wi-Fi...”, diz Márcia Silva. 
 
 
 
ACOLHIMENTO
 
Apesar das dificuldades de terem que lidar com situações complicadas e das incompreensões de alguns pacientes, as duas Márcias afirmam que o acolhimento que prestam às pessoas é uma satisfação que compensa o peso da rotina diária. “A maioria são pessoas educadas. Te trazem bolo, te trazem doce, até frango já ganhei (risos)”, revela Márcia Dalossi.
Quanto ao Dia da Secretária, as duas profissionais se dizem contentes com o carinho e respeito dos pacientes e fornecedores. Alguns mandam flores, presentes e outros mimos.
 
No entanto, para Márcia Silva, o trabalho das secretárias deveria ser mais valorizado. “Isso seria bom. Às vezes, a gente está chateada e na correria do dia a dia, uma mensagem tipo ‘parabéns’ deixa o dia mais leve. É mais fácil se lembrarem da Márcia do que a Márcia lembrar de 60.400 pacientes”, observa.
 
 
Enio Modesto
 
CURIOSIDADES
 
Lilian Sholes
Lilian Sholes

MÁQUINA DE ESCREVER - O Dia da Secretária foi criado, informalmente, em 30 de setembro de 1950, em comemoração aos 100 anos de nascimento de Lilian Sholes (Estados Unidos), a primeira mulher a datilografar em público uma máquina de escrever, inventada por seu pai, Christopher Sholes. No centenário do nascimento de Lilian, vários fabricantes de máquinas de escrever fizeram concursos para escolher “a melhor datilógrafa”, tornando essa data conhecida como o Dia da Secretária. 

 
ANTIGOS ESCRIBAS - A profissão de secretária, no entanto, remonta aos tempos antigos com os escribas da Grécia, que eram pessoas de alto nível de conhecimento e prestígio na sociedade. No Império Romano existiu também a função de secretário em auxílio à administração pública.
 
I GUERRA MUNDIAL - No mundo atual, essa função passou a ser requisitada a partir do crescimento das atividades comerciais no pós-revolução industrial. A partir da Primeira Guerra Mundial, quando os homens foram enviados para as batalhas, as mulheres acabaram ocupando suas vagas, ficando a profissão mais ligada ao sexo feminino.
 
PADROEIRO - As secretárias têm uma oração e também um santo protetor, São Jerônimo, que foi secretário do Papa Dâmaso (367-384). A oração começa com a frase “Senhor, diante de ti, que é o criador e a fonte maravilhosa de todos os dons, quero agradecer-te pelo meu trabalho e a função de secretária”. 

© Copyright 2013 Foco Magazine

by Mediaplus