Em Foco

Voc está em: Home, Em Foco, Rússia - São Petersburgo Surpreendente

Agosto de 2018

Rússia - São Petersburgo Surpreendente

Família de Anne, a garota sorteada para entrar com a seleção brasileira na Copa da Rússia conhece as principais atrações turísticas de São Petersburgo, a antiga capital do Império Russo.

.
A Rússia não é um dos principais destinos turísticos internacionais dos brasileiros, mas a Copa do Mundo de Futebol lhes ofereceu uma oportunidade de conhecer um pouco mais sobre esse intrigante país. Contemplada no sorteio de uma promoção de rede de restaurantes, uma família de Passos aproveitou bem essa chance de visitar e se impressionar com a terra dos czares e berço do comunismo. São Petersburgo, a mais europeia das cidades russas, foi o destino dos passenses, que durante dez dias percorreram os principais atrativos, como as deslumbrantes estações do metrô, que na Rússia são verdadeiros e admiráveis pontos turísticos.
A família passense que esteve no país do controvertido presidente Vladimir Putin é a do médico e vereador Rodrigo Mendes Barreto, que falou sobre a experiência para a FOCO. Sua esposa, Nolga Nefer Barreto, e dois de seus quatro filhos - Rafael Mendes Barreto, 12 anos, e Anne Nefer Mendes Barreto, 9 anos – curtiram a oportunidade.
 
Nolga e Anne com Raí, capitão e campeão pela seleção na Copa de 94; “ele levou nossas malas de mão, além das dele, colocou-as no porta-malas, foi muito gentil, agradável e carinhoso conosco. Um gentleman”,  conta a mãe.
Nolga e Anne com Raí, capitão e campeão pela seleção na Copa de 94; “ele levou nossas malas de mão, além das dele, colocou-as no porta-malas, foi muito gentil, agradável e carinhoso conosco. Um gentleman”, conta a mãe.

 

Anne havia sido sorteada na promoção da rede de restaurantes para entrar com os jogadores na estreia da Seleção Brasileira na Copa. 
Sua mãe, Nolga, seria sua acompanhante, com transporte, estadia e passeios gratuitos. O pai, Rodrigo, viu nessa vitória da filha caçula uma oportunidade para levar o restante da família ao longínquo país e convidou os outros filhos, mas apenas Rafael aceitou.
Como Anne e a mãe teriam que ir com as outras crianças também contempladas no sorteio, Rodrigo e Rafael viajaram sozinhos, encontrando-se com as duas somente em São Petersburgo. “Nós fomos meio que de mochileiros. Adiantamos o vôo, chegamos um pouco antes da Nolga, mas nós ficamos só na cidade de São Petersburgo, porque não foi uma viagem planejada com antecedência, foi tudo de surpresa, e a nossa ideia foi de estarmos presentes no dia do jogo Brasil e Costa Rica, na qual a Anne entrou”, conta o pai.
Rafael e Rodrigo  em frente ao Peterhof, o palácio de verão dos czares.
Rafael e Rodrigo em frente ao Peterhof, o palácio de verão dos czares.

 

 
 
PEDRO, O GRANDE
 
Localizada no norte russo, na entrada do Golfo da Finlândia, costa do Mar Báltico, e banhada pelo rio Neva, São Petersburgo foi construída pelo czar Pedro, o Grande, no começo do século 18, para substituir Moscou como capital do então Império Russo. No século 20, em meio à Revolução Russa, a cidade mudou de nome duas vezes: Petrogrado, em 1914, e Leningrado, em 1924, já sob o regime comunista. Em 1918, Moscou já havia voltado a ser a capital.
A fundação de São Petersburgo se deveu à ideia de Pedro ao querer dar à Rússia um ar mais europeu, levando para lá os estilos arquitetônicos, o urbanismo e o paisagismo característicos do Velho Continente. Hoje, com mais de cinco milhões de habitantes, São Petersburgo ainda preserva as construções daqueles tempos e também os monumentos e prédios do período da União Soviética, nome do bloco de países comunistas liderados pela Rússia.
As ruas em São Petersburgo são enfeitadas com flores.
As ruas em São Petersburgo são enfeitadas com flores.

 

“Eles queriam copiar as coisas da Europa: prédios que lembram os palácios de Versalhes (França) e Buckingham (Inglaterra), Roma, Vaticano, o rio Neva com canais que lembram Veneza. É uma história riquíssima! A cidade é linda e limpíssima. As estações de metrô são obras de arte, cada uma mais bonita que a outra”, conta admirado Rodrigo Barreto. 
 
ACERVO
 
Quem visita São Petersburgo precisa ter muita disposição
.
 para percorrer pelo menos uma pequena parte do enorme circuito turístico da cidade. Segundo a Unesco – Órgão das Nações Unidas (ONU) para a ciência, educação e cultura – a cidade possui 36 complexos de arquitetura histórica, cerca de quatro mil monumentos históricos e culturais e 221 museus, sem contar as milhares de bibliotecas e atrativos mais modernos, como shoppings, cinemas e outros.
Como tinha apenas um conhecimento básico da Rússia, em termos de geografia, história e política, a família Mendes Barreto resolveu estudar um pouco mais sobre a cultura desse país através de documentários que mostravam os atrativos locais. “Ficamos encantados com a beleza do local e chegando lá vimos que era mais bonito do que havíamos visto nos documentários. A realidade foi melhor ainda!”, conta Rodrigo. 
 
Ele também explica que a viagem não havia sido planejada justamente por causa da surpresa do sorteio – o qual ele chegou a não acreditar que aconteceria de verdade -, mas no final deu tudo certo. A Anne e a mãe, ele e Rafael fizeram seus passeios pelos principais e belos pontos turísticos de São Petersburgo. 
Segundo Rodrigo Barreto, de São Petersburgo avista-se a Finlândia do outro lado do Golfo e as águas do Mar Báltico são realmente geladas, em pleno verão russo. Também estão presentes os cenários das guerras napoleônicas e da 2ª Guerra, a famosa estátua de Lênin e os impressionantes palácios históricos da ex-capital.
O turista passense se refere aos palácios de inverno e verão dos czares, respectivamente situados no Museu Hermitage e no Peterhof, cópia do estilo de Versalhes, que hoje abrigam museus históricos, de arte e cultura. Ele também se refere às igrejas, como a catedral da Fortaleza de Pedro e Paulo e também as de Santo Isaac, do Sangue Derramado e o Palácio de Mármore.
As estações do metrô de São Petersburgo são uma atração turística à parte. São consideradas como verdadeiros “palácios do povo”, pois foram construídas com todos os adornos e requintes palacianos a partir de 1940, nas primeiras décadas da era comunista.
Diversos e renomados arquitetos projetaram as estações, incluindo no design mármore branco, lustres de cristal e afrescos, que impressionam os visitantes. “As estações de metrô são obras de arte, cada uma mais bonita que a outra”, afirma Dr. Rodrigo.
Outra construção admirável é a Catedral do Sangue Derramado, que foi construída entre os anos de 1883 e 1907 no local onde, dois anos antes, havia sido morto num atentado, o czar Alexandre II. Seu filho e sucessor Alexandre III iniciou a obra, que foi concluída por Nicolau II, o último dos czares. Para Rodrigo Barreto, o revestimento completo das paredes e do teto da catedral em mosaico são incríveis de tão belos.
 
 
“Anne protegida do frio intenso em pleno verão russo em frente ao palácio Peterhof, o palácio onde os czares passavam o verão; o Peterhof é considerado o mais bonito da Rússia, com vários e deslumbrantes palácios e jardins construídos há quase 300 anos, por Pedro, o Grande.”
“Anne protegida do frio intenso em pleno verão russo em frente ao palácio Peterhof, o palácio onde os czares passavam o verão; o Peterhof é considerado o mais bonito da Rússia, com vários e deslumbrantes palácios e jardins construídos há quase 300 anos, por Pedro, o Grande.”

 

“É uma cultura riquíssima, um turismo maravilhoso, e o que nos surpreendeu muito, muito positivamente, foi a receptividade do povo russo. Aonde a gente caminhava, aonde a gente entrava, supermercado, farmácia, restaurante, tudo... o pessoal nos tratava muito bem. As pessoas mais jovens falam inglês, a língua não é um problema para a gente se comunicar na Rússia, sabendo falar o inglês. Eu gostei muito! Nós tivemos não só a oportunidade de estar lá na Copa do Mundo, mas de fazer turismo na Rússia, que foi surpreendente!”, avalia.
Anne afirma muito convicta: “Eu quero voltar aqui, quando eu fizer 18 anos, eu quero voltar aqui novamente.”
 
RIO NEVA
 
Um tour pelo rio Neva é outro passeio que os turistas não podem dispensar, principalmente à noite, para aproveitar a visão das luzes da cidade. Anne e sua mãe aproveitaram para contemplar a vista da cidade, cujas luzes à noite conferem um ar muito especial ao passeio.
A comida russa, segundo Rodrigo Barreto, é feita sem muita extravagância, como um prato à base de peixe desidratado, o nosso conhecido strogonoff, panquecas, além de uma variedade de restaurantes de redes de fast foods.
Como Nolga e Anne estavam por conta da promoção e tinham um roteiro de passeios e compromissos, Rodrigo e Rafael passearam muito a pé em São Petersburgo, o que contribuiu para que interagissem com os russos e turistas de outras partes do mundo.
 
“A Copa proporciona integração dos povos e nós brasileiros somos vistos como pontos turísticos, então pessoas do mundo inteiro queriam tirar fotos com a gente: Egito, Rússia, França, Irã, Marrocos, Alemanha, Costa Rica...”, disse.
Os meios de transportes também receberam elogios do passense – metrô, ônibus e Uber –, somente os táxis passaram uma imagem negativa por causa de preços abusivos. 
“É uma cidade muito bacana e que sem dúvida alguma ficou na memória de nós quatro e que a gente vai levar pra eternidade. E, além disso tudo, vivenciando a Copa do Mundo, que por si só já é algo grandioso. E a cereja do bolo foi ver a Anne  entrando em campo com o capitão da seleção”, completa Rodrigo.
 
.

 

ANNE ENTROU COM O CAPITÃO DA SELEÇÃO, TIAGO SILVA.
 
 
A estudante Anne Nefer Mendes Barreto, 9 anos, foi uma das dez crianças de 6 a 10 anos de idade sorteadas numa promoção da rede de fast food Mcdonald’s para entrar com os jogadores da Seleção Brasileira de futebol na partida contra a Costa Rica, em 22 de junho, na Copa do Mundo disputada na Rússia. Mas a sorte sorriu para a Anne não apenas uma vez. Ela também foi contemplada com a primazia de entrar em campo de mãos dadas com o capitão da Seleção, o zagueiro Tiago Silva, conforme conta seu pai, Rodrigo Mendes Barreto. 
 
.

 

“Tivemos uma enorme emoção de vê-la entrando e houve momentos em que a gente até esqueceu que tinha jogo da Seleção. O nome dela foi anunciado no estádio, apareceu no telão. Foi muito bacana, um momento indescritível que vai ficar pra vida toda. E ainda tivemos a sorte que naquele jogo, o Brasil obteve a vitória (2 x 0) e ainda tivemos o prazer de sair dali comemorando a vitória da Seleção Brasileira”, disse.
Anne adora futebol e joga numa escolinha mantida em Passos por uma empresa de plano de saúde, a UNIMED.
.

 

 Sua mãe, Nolga Nefer Barreto, pensou primeiro em inscrever os meninos, o que não pode ocorrer porque estavam fora da faixa etária da promoção.
O pai, Rodrigo, confessa que chegou a desconfiar da seriedade da campanha e, mesmo depois de ter sido avisado que a filha caçula havia sido uma das sorteadas, achou se tratar de um golpe. “Demorou uns 15 dias para que eu realmente acreditasse que era verdade que a Anne realmente tinha ganhado”, disse.
Ao saber que iria à Rússia, na Copa, e ainda entrar em campo com os jogadores, a menina quase desmaiou, conforme conta o pai. “Logo no primeiro dia que foi sorteada, a Anne ficou muito emocionada. Ela chegou até a sentir-se mal porque a gente comentou, brincando com ela, que ela iria para a Rússia. Ela ficou tão emocionada, tão eufórica, que ela suou frio, caiu a pressão, eu tive que trazê-la embora pra casa”, recorda.
.

 

Sua mãe, Nolga, que fez a inscrição, teve o direito de ir como acompanhante, gozando de todos os benefícios com a filha. 
O pai convidou os outros três filhos para irem também, mas apenas Rafael, o mais novo dos meninos, de 12 anos, aceitou.
Anne e Nolga ficaram no hotel reservado para as crianças sorteadas pela promoção. Elas embarcaram em São Paulo, fizeram escala de um dia em Dubai, nos Emirados Árabes, e rumaram para São Petersburgo, onde o Brasil jogaria contra a Costa Rica.
As crianças que entrariam com os jogadores tiveram que fazer um treinamento cinco horas antes da partida, para saberem como se portar. Mesmo com esse preparo, Anne sentiu o impacto de entrar no gramado de um estádio lotado.
 
Segundo ela, o momento foi inesquecível por causa da presença dos jogadores e da importância do evento para os brasileiros. “Quando peguei na mão do Tiago Silva, ele parecia um gigante perto de mim. Quando entrei no estádio e vi aquele monte de gente, me senti uma micro formiguinha”, conta.
Nolga acrescenta que Anne ficou muito feliz e emocionada na hora do Hino Nacional: “Mamãe, eu arrepiei.”
O pai revela que ainda em casa recomendou à filha que colocasse a mão no peito e cantasse o Hino Nacional com os jogadores e ela o atendeu. “Ela foi a única brasileirinha que cantou o hino com a mãozinha no peito, igual aos jogadores. Isso me deixou mais emocionado ainda. É uma emoção que vai ficar para a eternidade”, disse.
 
Enio Modesto
Rússia - São Petersburgo Surpreendente

© Copyright 2013 Foco Magazine

by Mediaplus