ltima Edio
Nov/Dez 2019
 Nov/Dez 2019

Informe Publicitário

Investindo em conhecimento

  • Empresa passense que atua no mercado há 28 anos participa de Missão Empresarial e conhece as histórias de superação das indústrias têxteis da Espanha na região da Catalunha.

    Laerte Júnior em visita ÃÆ’  empresa Desigual, criada em 1984 pelo suíço Thomas Meyer.
    Laerte Júnior em visita à empresa Desigual, criada em 1984 pelo suíço Thomas Meyer.

    Foi através do sonho do empresário Laerte Francisco Rodrigues que há 28 anos nascia a empresa Symon Rio, empresa passense especializada na confecção de peças coloridas e modernas, voltadas para o público feminino a partir dos 35 anos. A empresa é comandada pela diretora geral Raquel de Lima e Silva Rodrigues, esposa de Laerte, e por seu filho, Laerte Francisco Rodrigues Júnior, que atua como gerente comercial, relações públicas e recursos humanos. Os dois estiveram recentemente na Catalunha (Espanha), onde participaram de uma Missão Empresarial promovida pelas empresas Babita Distribuidora e ACC1Ó. O objetivo da viagem era conhecer a experiência das indústrias espanholas com o mercado e as novas tecnologias e modos de produção que fizeram o sucesso das empresas espanholas daquela região.

     Sempre preocupada com o investimento na Symon Rio, Raquel conta que há 11 anos viaja para a Europa para pesquisar sobre moda. Porém, na viagem da Missão Empresarial se sentiu mais direcionada, já que as empresas organizadoras do evento deram direcionamento aos empresários, orientando sobre os locais a serem visitados. “Não é sempre que um convite deste é feito. De 60 empresas selecionadas, apenas 12 participaram da missão. Principalmente uma missão empresarial internacional, com caráter sério como foi essa que participamos”, disse Raquel. Segundo ela, o cronograma foi seguido à risca. O grupo estava muito focado, com vontade de aprender e conhecer as empresas.

    Empresários conheceram a produção da Naulover, que fabrica as roupas da Rainha Sofia.
    Empresários conheceram a produção da Naulover, que fabrica as roupas da Rainha Sofia.

    O primeiro lugar visitado foi o grupo Privalia, outlet permanente que nasceu na região da Catalunha e é voltada mais para promoção. “Ela lança promoções de vendas rápidas. Para isso, usam a web, aplicativos, twitter, facebook, dentre outros. Tudo é feito online. A duração da promoção aparece por cinco dias e durante esses dias eles vão computando o estoque para saber o que foi vendido”, disse a empresária. 

    Experiências

    Em todas as empresas visitadas, Raquel e Laerte Jr. puderam observar aspectos da produção, como o cooperativismo entre empresas, o investimento em tecnologia e marketing e o posicionamento de marca, que fizeram o diferencial para as empresas da Catalunha e podem servir de lição para o Brasil. O grupo visitou, por exemplo, a empresa Desigual, criada em 1984 pelo suíço Thomas Meyer. O intuito da marca é trabalhar com uma vestimenta diferenciada, que tenha como base uma atitude positiva, um conceito que repassa todo o processo de produção. “O projeto respira o positivismo, o compromisso, a tolerância, a constante melhoria, inovação e diversão. É fabricada apenas uma peça, totalmente exclusiva para o cliente da Desigual. A marca respeita as diferenças. E amam o que fazem, por isso, nada é parecido com as peças que produzem”, relata Laerte Jr.

    A preocupação da loja com o bem estar do cliente vai além de uma roupa exclusiva. Até a iluminação dos espaços é pensada para valorizar as peças e criar um clima aconchegante. Após a visita à Desigual, a próxima parada foi na Associação das Confecções da Catalunha.  “Como sou presidente da Associação das Confecções de Passos fiquei de olho no jeito como eles trabalham para programar estratégias parecidas em nossa cidade, com o objetivo de melhorar a vida do confeccionista e, consequentemente, do trabalhador e do cliente final”, disse Laerte Jr, acrescentando que um dos aspectos mais interessantes da associação é a maneira de captação de associados.

    Os empresários conheceram a produção da região conhecida como TEX 51.
    Os empresários conheceram a produção da região conhecida como TEX 51.

    A seguir, o grupo pôde conhecer a produção da empresa Naulover, marca que está atualmente em 11 países e vende suas roupas através de sua própria loja em Barcelona. A Naulover tem ainda pontos de venda em lojas multimarcas, 90 cantos do Shopping Corte Inglês e também em sua loja on-line. “Lá fizemos uma visita guiada dentro da empresa para conhecer a parte de produção e foi fantástico, afinal a empresa foi fundada no ano de 1957. A coleção é linda. São eles que fabricam as roupas da Rainha Sofia da Espanha. Daí já dá para ter uma ideia do quanto o acabamento deles é divino. A parte organizacional da empresa, o trajeto do produto, como ele entra e como sai da empresa é tudo muito perfeito. Tudo muito silencioso. Não se ouve o barulho das máquinas, que são todas eletrônicas e nem funcionários de “bate papo”, ou seja, o serviço rende muito. E eles deixaram bem claro que tem interesse no Brasil”, disse.

    Criatividade

    Apesar de a missão ser focada nas indústrias de confecção, o grupo visitou ainda a empresa de tênis chamada Munich, que com criatividade conseguiu sair da falência e dar a volta por cima. “Para sobressair, a empresa pensou no “My Way”, o que os tirou da falência. A proposta do My Way (Meu Jeito) é expor um tênis todo branco no site dela e deixar que os clientes montem o produto do jeito que eles desejarem. O tênis personalizado pelo cliente que ficar mais bonito é feito pela empresa e dado ao “cliente design” vencedor. Ela foi a primeira empresa a fazer tênis personalizados e tal estratégia a tirou do anonimato. Eles também partiram para uma linha mais sofisticada. Uma linha mais trabalhada para que o cliente pudesse ir a um evento mais chique como uma festa”, conta Laerte Jr.

    Alto escalão da Naulover admite interesse no Brasil.
    Alto escalão da Naulover admite interesse no Brasil.

    Outro local visitado foi a TEX51, região da Catalunha que passou por uma dificuldade muito grande quando houve a expansão dos produtos Coreanos e Chineses. Para concorrer com essa expansão, as 25 empresas se uniram e começaram a trabalhar em clusters (distribuição de funções para melhor desempenho). Com o sistema, as lojas se uniram e cada uma ficou encarregada de fazer determinada função, ou seja, uma indústria só para cortar o tecido, outra só para costurar. “As empresas que trabalharam neste sistema, criaram forças e divulgaram suas marcas. Desta forma, todos tiveram participação nos lucros e ninguém teve de fechar as portas. Na TEX51 pudemos conhecer um maquinário que faz a roupa sem costura alguma, a trama é feita na hora”, ressalta o gerente comercial.

    Laerte acredita que o exemplo da TEX51 pode ajudar as empresas do ramo confeccionista em Passos. “Se os empresários de nossa cidade se fortalecessem, criassem uma política de venda comum, muitas lojas não passariam por dificuldades. A região deles é uma região de difícil acesso que se sobressaiu devido ao pensamento conjunto. Passos tem uma roupa boa, só que o custo de produção é alto e o custo de venda também porque falta uma política de vendas mais organizada e um centro de recepção ao turista onde eles possam usar um banheiro, comer e se prepararem para as compras”, disse.

    Alto escalão da Naulover admite interesse no Brasil.
    Alto escalão da Naulover admite interesse no Brasil.
    Naulover, uma das empresas visitadas, chamou atenção pela organização.
    Naulover, uma das empresas visitadas, chamou atenção pela organização.

    Mãe e filho também conheceram a empresa Mango, multinacional internacionalmente conhecida e que já atua no Brasil. A indústria projeta, fabrica e comercializa roupas e acessórios para mulheres e homens. “Os designers de cada país saem e vão até a sede na Europa e escolhem o produto que tem a cara da região onde eles se encontram. Devido a isso, a Mango produz o ano todo para todas as estações, pois, em cada hemisfério está acontecendo uma estação”. Segundo eles, a chave para o sucesso pode ser resumida em três pontos: Conceito, Equipe e Logística do Sistema.

    Por último os empresários visitaram a famosa e mais antiga fábrica de meias do mundo, fundada em 1.898, a Condor. “Todos os desenhos são feitos a mão. Cada detalhe passa por todo um grupo de profissionais de primeira. E para quem pensa que fabricar meias é fácil, fiquem sabendo, foi uma das coisas mais complexas que pudemos ver durante a viagem”, disse Laerte.

    Um ponto interessante sobre a Condor é a preocupação com o meio ambiente. A fábrica inteira da Condor é rodeada de placas que captam energia solar e fornecem energia para a cidade inteira onde ela é localizada. O estacionamento todo é coberto com essas placas. O grupo também tem produção voltada para o público infanto-juvenil que vai de 0 a 4 meses e de 2 a 14 anos de idade. A empresa participa de várias feiras e desfiles na Europa e investe muito em marketing e propaganda.

    Qualidade

    O grupo que participou da missão também conheceu restaurantes da região e os diferenciais de atendimento. No Cena Monvinic, por exemplo, Raquel e Laerte Jr. puderam degustar uma carteira de cinco vinhos e cinco pratos maravilhosos. O restaurante é diferenciado dos demais, pois nele só se serve pratos e drinks típicos da Catalunha. Segundo Laerte, no Cena Monvinic é possível conhecer o chefe, que vai até a mesa de cada um e explica o que está sendo servido e de que uva e local da Catalunha é o vinho que está sendo bebido. “Lá só tem coisas de primeira linha. Produtos bem diferenciados”, falou. Eles também conheceram o La Roca Village, um restaurante magnífico onde é servida a melhor paella de Barcelona.

    Para finalizar, destaco o Restaurante Cena Boca Grande, local muito comentado em Barcelona por ter como ponto turístico um banheiro unissex onde o DJ toca e onde ficam as fotos de todas as celebridades que já passaram pelo local. “O banheiro é uma atração turística”, riu Raquel.

    Pesquisas

    O grupo aproveitou para pesquisar as tendências de moda e de vendas na região espanhola. “Minha mãe e eu fomos conhecer o famoso “Corte Inglês” um shopping enorme onde as lojas ficam expostas em formato de stands, sem paredes para separar uma da outra. É como se fosse uma enorme loja de departamento, tais como Renner e C&A. Também fomos a uma rua especialmente dedicada às grandes marcas.”

    A missão também foi uma oportunidade de conhecer a cultura e a tradição locais. “Passeamos bastante. Pudemos conhecer o Jardim de Gaudi, famoso arquiteto Catalão, as igrejas do local e ficamos encantados. A Igreja Sagrado Coração também de Gaudi é linda e um dos pontos turísticos mais visitados da cidade. Também tivemos o prazer de conhecer o Mar Mediterrâneo que é lindo e possui mais de 150 ilhas tais como: Sicília, Sardenha, Córsega, Creta, Chipre, Malta, Eubelia, Mallorca, Lesbos, Rodes e Quios.

    Tecnologia

    A importância da inovação tecnológica foi a principal lição deixada pela Missão Empresarial, segundo Laerte e Raquel. “De abril para cá compramos cinco máquinas das que vimos durante o passeio e ainda vamos comprar mais três. O investimento implantado refletirá de maneira impressionante em nossa produção”, disse Raquel.

    Segundo ela, com as facilidades do mundo globalizado consegue-se encontrar em São Paulo o maquinário visto durante a viagem. “A única diferença é o preço. Enquanto uma máquina lá custa 70 mil euros, aqui no Brasil ela pode custar 500 mil reais”, disse. Complementa que a visita deu uma injeção de ânimo ao grupo. “Vimos que eles também têm problemas como nós, e correm atrás de soluções também. Quando se faz uma viagem com um guia, como aconteceu nesta missão empresarial, você sai com um norte. Já sabe aonde ir e o que procura você encontra. Seria fantástico se todos os empresários confeccionistas pudessem fazer uma viagem como esta, pois abre muito nossa visão para novos caminhos a serem seguidos”, conclui Raquel.

    Uma das tecnologias conhecidas pelos empresrios a mquina de trama de tecido tubular.
    .
    Laerte Jnior em visita empresa Desigual, criada em 1984 pelo suo Thomas Meyer.
    .
    .
    .
    Alto escalo da Naulover admite interesse no Brasil.
    .
    Empresrios conheceram a produo da Naulover, que fabrica as roupas da Rainha Sofia.
    .

    © 2019 Foco Magazine. Todos os direitos resevados.