Última Edição
Janeiro/Março 2020
Janeiro/Março 2020

Comunidade

Tá na Moda ser Solidário - ed. 63 - julho/2010

  • .

    A campanha que veio para ficar.

    Solidariedade é a palavra que vai reger o futuro da humanidade, não mais o individualismo e a burocratização. Tanto é verdade que as pessoas estão abraçando causas nobres, como a campanha “Tá na Moda ser Solidário”, que está dando o que falar na cidade.

    O “Tá na Moda ser Solidário” foi espelhada numa outra campanha que fez muito sucesso no Brasil, que é a do Câncer de Mama, que vestiu celebridades e anônimos de todo o País, gerando consciência e resultados satisfatórios em todo o território nacional.

    O “Tá na Moda ser Solidário”, segundo o supervisor de captação de recursos da Santa Casa, Evânio de Lima Cruz, visa especificamente a manutenção do HRC nas suas demandas, necessidades, melhorias e atualizações. “Nosso objetivo é único e exclusivo: dar sustentabilidade ao Hospital Regional do Câncer”, afirma Evânio acrescentando, “e a nossa expectativa é ampliar essa campanha gradualmente já que o hospital atende hoje 46 cidades de Minas Gerais”, explicou.

    Funciona assim: Ao incluir o TAG em 100% de sua coleção, a empresa se torna parceira do HRC. A proposta é que cada lojista coloque no preço de cada peça de roupa um aumento de R$ 0,25 que será revertido para o Hospital Regional do Câncer. Há dois tipos de tags, o infantil e o adulto. Cada tag contém o Certificado de Doação, além de um 0800 disponível para quem quiser ajudar ou mesmo conhecer o HRC.

    Conforme Evânio, as empresas que estão abraçando a causa têm recebido também um adesivo de identificação da campanha para seu estabelecimento, assim, podem propagar a toda comunidade, funcionários e parceiros, o valor da verdadeira responsabilidade social. Também como forma de gratificação, a empresa recebe um selo da parceria de mantenedor do HRC.

    “Essa iniciativa pretende presentear as empresas para que elas sejam reconhecidas pela contribuição dada à luta contra o câncer, utilizando tal selo como uma legítima ferramenta de marketing social”, frisou o supervisor ainda dizendo: “Sua marca será colocada num mosaico dentro do Hospital do Câncer e em todas as mídias que o HRC participar, a logomarca da empresa estará presente em tudo”, revelou.

    O lançamento oficial da campanha aconteceu dia 27 de maio de 2010, no Restaurante Capella do Chopp, onde a equipe da Santa Casa e a comissão de Passos pró-HRC explanaram o projeto aos confeccionistas. Foi uma noite ímpar onde os empresários entenderam o verdadeiro significado da proposta e se comprometeram a ajudar, como por exemplo, a fábrica de lingerie Azarrara e várias outras confecções, que até então não conheciam o projeto e que na mesma noite de lançamento abraçaram a causa. Até agora nove  fábricas aderiram à campanha. São elas: Talento, Via Sampa, Reserva Natural, Impressinho, Machinho (as primeiras a aderirem ao projeto), Azarrara, Micareta Kids, Terra Mística e Kímika.

    Para o supervisor de captação da Santa Casa, a esperança de angariar mais fundos para o HRC através desta campanha é muito grande. “Nosso maior objetivo é dar início ao funcionamento do equipamento da Radioterapia e a previsão de funcionamento é em torno de 60 dias. Queremos agradecer essas empresas que já são parceiras e convidar as outras que ainda não são a ajudar o Hospital Regional do Câncer. Cada pessoa tem um papel fundamental na vida deste hospital, não só pela ajuda na manutenção, como também no desenvolvimento tecnológico e na própria evolução da entidade, já que somos um hospital regional.”

    A proprietária da loja Azarrara lingerie, Andrea Simão Rocha, achou fantástica a ideia da campanha e como mesmo afirmou, nem pensou duas vezes quando decidiu abraçar a causa. “O câncer é uma doença muito cruel e ajudar o HRC é uma oportunidade para as pessoas que têm a doença, terem mais esperança. A doença bate na porta de todos nós e ter um hospital especializado perto de nós é muito bom, poupa sofrimento. O genial que eu achei do projeto também é a valorização de todas as empresas, independente do porte que ela tem, independente do preço que ela vai fixar na sua roupa com o tag. Todas têm a sua importância nesta causa tão justa, que é em prol do Hospital Regional do Câncer”, observou Andrea.

    Nas fotos estão as 5 primeiras confecções que aderiram ao projeto. Abaixo, o que os empresários acham da parceria:

    Raul dos Reis Silveira, da Talento: “A causa é muito nobre e colaborar com o HRC é motivo de muita alegria para nós. R$ 0,25 representa muito pouco diante do valor do nosso produto. Já compramos 200 mil tags, portanto o hospital pode contar com mais 50 mil reais. Tenho certeza que quando nossos clientes perceberem que somos parceiros desta nobre causa eles também vão copiar o exemplo.”

    Gilberto de Melo Andrade, da Machinho: “É uma grande oportunidade de servir a comunidade em que vivemos.”

    Tianinha Calixto, da Reserva Natural: “Adquirimos 100 mil tags que estão sendo colocados nas roupas desde o dia 1º de junho. Ficamos muito felizes com essa maneira inteligente de firmar parceria por uma causa justa. É interessante nossos clientes saberem que somos uma empresa responsável e voltada para o lado social.”

    Luiz Carlos Rezende, da Via Sampa: “Nós da Via Sampa sempre colaboramos de uma forma ou outra com o HRC. Sem antes mesmo de saber detalhes deste projeto, já aceitamos a parceria por entendermos que a causa é, de fato, nobre. Vendo o lado empresarial, é interessante agregar valor e respeito à sua empresa e esse projeto é de grande responsabilidade social.”

    Giovanni Sebastião de Castro e Maria Regina Pereira Alves, da Impressinho: “É uma honra para a Impressinho estar com um nome ligado ao HRC através da campanha dos Tag’s. Esperamos que toda a classe confeccionista se una a este grande projeto.”

    © 2019 Foco Magazine. Todos os direitos resevados.