Última Edição
Nov/Dez 2019
 Nov/Dez 2019

Mulher

Amadurecer pode ser bom

  • .

     

    Nos últimos sete anos, com a chegada dos 40 anos, comecei a estudar sobre o processo de envelhecimento. O tema se revelou tão fascinante que já fiz vários cursos na área, inclusive uma pós em Psicologia do Envelhecimento. A experiência tem sido tão gratificante para mim que resolvi montar cursos para compartilhar o aprendizado. Tenho montado grupos de senhoras com idade de 40 a 85 anos, para estudar e refletir sobre filosofia e qualidade de vida visando o auto conhecimento e uma preparação para enfrentar, da melhor forma, os desafios da maturidade. Os encontros são muito bons, tive a sorte de conviver e aprender muito com as participantes, afinal como dizia Guimarães Rosa: “mestre é aquele que ensinando de repente aprende”.

    Acredito, sinceramente, que temos o poder de fazer escolhas que determinam a nossa jornada rumo a 3ª idade, podemos voluntaria, ativa e conscientemente escolher amadurecer (e não apenas envelhecer) e apropriarmos da melhor maneira da passagem do tempo que vivemos, o tempo refletido, pensado, odiado, temido, conquistado... E perceber que ele não é exclusivamente, ameaça, podendo ser também uma grata surpresa e até mesmo uma promessa. Ou podemos, voluntariamente e simplesmente deixar o tempo passar por nós e envelhecer, passivamente. Vários estudos têm provado que só envelhecemos quando nos isolamos e paramos de estudar, de aprender e de nos interessar pelo mundo (dinâmico) que nos cerca. Ou seja, o tempo vai modificar o nosso corpo, isso é inevitável, porém sobre a nossa alma só vai exercer a influência que nós permitirmos. Gosto de brincar que podemos ter osteoporose nos ossos, jamais na alma, é hora de investir em nós, fazermos o que gostamos, nos auto-conhecer e nos apropriarmos da nossa vida.

    Vivemos segundo nosso ponto de vista, com ele sobrevivemos, crescemos, amadurecemos ou simplesmente naufragamos e envelhecemos. Renunciar, acomodar, são escolhas que fazemos, não podemos culpar o destino por nossos erros, afinal temos livre arbítrio. É hora de deixar de ser vítima (e colocar a culpa nos outros) e perceber que somos autores de nós mesmos e responsáveis por nossas escolhas (e até mesmo omissões). É hora de perceber que tudo na vida é avanço, transformação, e negar as mudanças é impedir o fluxo natural da existência.

    Temos que adotar a postura de humildes e interessados aprendizes...

    Felizmente a tarefa de viver nunca acaba. O susto, o sonho, a esperança, sempre, batem a nossa porta. Temos que estar abertos, aproveitar as oportunidades. Claro que nem sempre é fácil termos que correr riscos, sair da nossa zona de conforto, da nossa sofrida resignação e enfrentar a vida com tudo de agradável e difícil que ela nos reserva. Para alguns é mais fácil entregar os pontos (aos 50, 60...) porém felizmente, tem aqueles que nunca se entregam.

    Temos que encarar a 3ª idade como um processo preparatório para o despertar de uma nova consciência e identidade. Temos que adotar a postura de humildes e interessados aprendizes e obter novos conhecimentos sobre o mundo que nos cerca, sobre a vida, sobre nós mesmos... E perceber que a vida, sempre, é bonita, é bonita e é bonita.

    .

     

    Gizele Rabelo
    Terapeuta Oriental (Feng Shui, Astrologia Chinesa, Toque Terapêutico) (35) 3522-0339

    © 2019 Foco Magazine. Todos os direitos resevados.