Última Edição
Jul / Ago 2019
Jul / Ago 2019

Assinatura Online

Recebe a última edição da
Foco Magazine no conforto
de seu endereço!

Saúde

Síndrome Mão-Pé-Boca

  • O que é a Síndrome MÃO-PÉ-BOCA? É uma doença altamente contagiosa, mais frequente em crianças menores de cinco anos de idade, embora adultos também podem ser afetados.

    .

     

    Dra. Cristina Grintaci  Pediatra e Neonatologista. Especializada em prematuros,  recém-nascidos e pediatria em geral  Formada em 2002 na Universidade São Francisco - Membro do Corpo Clínico da Santa Casa de Passos MG. Facebook: Dra Cristina Grintaci
    Dra. Cristina Grintaci 
    Pediatra e Neonatologista. Especializada em prematuros, recém-nascidos e pediatria em geral  Formada em 2002 na Universidade São Francisco - Membro do Corpo Clínico da Santa Casa de Passos MG. Facebook: Dra Cristina Grintaci

     

    Por que tem esse nome?
    É justamente porque as lesões localizam-se principalmente nas mãos, pés e interior da boca e por fora da boca, porém podem localizar-se em outras regiões do corpo. 
     
    Qual é o agente etiológico?
    É o vírus Coxsackievirus A16, pertence à família de enterovirus.
     
    Quais são os sinais e sintomas?
    •Febre (38-39°c) ou casos sem febre, 
    •Mal-estar,
    •Falta de apetite,
    •Cefaleia (dor de cabeça),
    •Vômitos,
    •Gânglios aumentados no pescoço,
    •Pequenas úlceras dolorosas dentro da boca, na língua, nas partes internas das bochechas e gengivas, semelhantes a aftas, que podem causar inapetência (falta de apetite) e dor ao engolir,
    •Erupções de pequenas bolhas, em geral, nas palmas das mãos e plantas dos pés, podem ocorrer nas nádegas e região genital (partes íntimas),
    •As bolhas surgem também nos joelhos e cotovelos,
    •Pode dar desidratação (boca seca, ausência de lágrimas ao chorar e diminuição do volume da urina),
    •As bolhas podem permanecer até 4 semanas.
     
    Como é a transmissão?
    O vírus que causa a doença pode ser encontrado em pessoas infectadas:
    •Secreção do nariz e garganta (como saliva, expectoração ou muco nasal).
    •Secreção da bolha da lesão da pele.
    •Fezes, como trocar fraldas de uma criança infectada e após não lavar as mãos. 
    •Objetos e superfícies contaminados, como tocar em brinquedos, chupetas,  objetos e alimentos compartilhados.
     
     
    E por que a transmissão é fácil
    de ocorrer?
    Como é um vírus e a transmissão é oral ou fecal, qualquer contato com as secreções, pode dar a transmissão.
     
     
    Quais são as complicações
     da doença?
    A desidratação é a mais frequente, pois devido às lesões na boca e aftas, as crianças não conseguem alimentar-se e acabam desidratando, e muitas vezes precisam ir ao Pronto Socorro para tomarem soro intravenoso e receberem analgesia.
    E outras complicações menos frequentes e raras são a meningite viral e encefalite.
     
     
    Qual o tratamento?
    Não existe vacina para essa doença. Em geral como ocorre com outras doenças virais, ela regride espontaneamente depois de alguns dias. O tratamento é sintomático, uso de antitérmicos e anti-inflamatórios. Repouso, ingerir muito líquido, evitar alimentos ácidos, muito quentes e com muito tempero. Dar preferência a alimentos pastosos e mornos.
     
    Como é a prevenção?
    Lavar as mãos frequentemente com água e sabão, principalmente após trocar fraldas e usar o banheiro.
    Limpar e desinfectar superfícies tocadas com frequência e itens sujos, incluindo brinquedos, com álcool 70%.
    Evitar contato próximo, como beijar, abraçar ou compartilhar utensílios (talheres, mamadeiras, chupetas, copos, etc) com crianças com a doença.
     
    .

     

     

    © 2019 Foco Magazine. Todos os direitos resevados.