Última Edição
Nov/Dez 2019
 Nov/Dez 2019

Encontro de talentos

As crianças do CAPP e suas habilidades artísticas

  • Rafael e Amanda: integrantes do espetáculo “Ritmo dos Sonhos”, exibido recentemente no Teatro Rotary.
    Rafael e Amanda: integrantes do espetáculo “Ritmo dos Sonhos”, exibido recentemente no Teatro Rotary.

    Para as crianças e os adolescentes do Capp, a dança pode ativar e desenvolver capacidades que lhe acompanharão pelo resto da vida, como atesta a professora de Educação Física e de Dança do Capp, Sabrina Lemos. “Com a dança eles trabalham e fortalecem a musculatura, estimulam a coordenação motora, flexibilidade, postura, uma maior consciência corporal, noções de espaço, além de melhorar sua integração social. Musicalidade, ritmo e criatividade também estão entre os ganhos”, fala Sabrina que dá aulas para garotos e garotas de 11 a 15 anos de idade na entidade.

    “É uma atividade que exige concentração pois eles aprendem a ter respeito a algumas regras da dança, assim como em qualquer outro esporte; desenvolvem a autoconfiança, porque, de certa forma, desafia um pouco o corpo; sociabiliza o contato com o outro”, esclarece a professora. O hip hop é o estilo que marcou o espetáculo de fim de ano “Ritmo dos Sonhos”, composto por 80 alunos do Capp. Foram três apresentações no Teatro Rotary: 30 de novembro, 1º e 2 de dezembro. Neste ano, a participação especial ficou por conta da Cia de Dança Carissa.

    Membros do grupo “Space Dance” que ganhou em 1º lugar no Festival de Hip Hop da Fesp de 2012.
    Membros do grupo “Space Dance” que ganhou em 1º lugar no Festival de Hip Hop da Fesp de 2012.

    Sabrina Lemos, conta que após o sucesso do grupo “Space Dance” de hip hop, formado dentro da entidade, os convites para os meninos e meninas se apresentarem até em cidades vizinhas triplicou. 

    “Como nos classificamos em 2º lugar em 2011 e em 1º lugar em 2012 no Festival de Hip Hop que a Fundação de Ensino Superior de Passos (Fesp) promove todos os anos, a fama do grupo foi crescendo. Este ano também participamos do Minas Dance, em Varginha e obtemos o 8º lugar, numa competição acirrada. Sem contar os convites de cidades como Fortaleza de Minas, Alpinópolis, Carmo do Rio Claro, Piumhi, entre outras. Mas independente da competição e de se apresentar, o fato de aprenderem a oficina e manterem uma disciplina é que é o fundamental para eles”, explica a professora.

    Meninas do Space Dance com a professora Sabrina Lemos ao centro.
    Meninas do Space Dance com a professora Sabrina Lemos ao centro.

    Ritmo dos Sonhos

    Neste espetáculo realizado no Teatro Rotary, o “Ritmo dos Sonhos”, outra oficina trabalhada no Capp também pôde ser vista: o Canto. Através de uma versão do musical “O Fantasma da Ópera”, os alunos puderam entoar lindas canções que foram desenvolvidas ao longo do ano pela professora de música, Délvia Cristina Morais, que esclarece:

    “A música desperta sentimentos, auto confiança e valores nobres. É uma forma de aprender a cultura, pois estudamos todos os ritmos e estilos. No entanto, mais do que isso, é na música onde eles se encontram e extravasam seus sentimentos. Para os alunos do Capp, a música é extremamente necessária e eficaz!”, diz Délvia.

    O supervisor geral do Capp, o irmão Marcos Rodarte Júnior, avalia as oficinas desenvolvidas pela entidade como positivas para a formação dos alunos e alunas da instituição. “Diria que são fundamentais pois além do próprio aluno descobrir seu potencial, seu verdadeiro talento, ele ainda está trabalhando o convívio com o próximo e a sua auto estima. Para nós, é uma grande alegria quando podemos mostrar no fim do ano, às pessoas da nossa cidade, o que os nossos alunos aprenderam no Capp. É uma satisfação e um orgulho muito grande esses grandes espetáculos.”

    No Minas Dance, em Varginha.
    No Minas Dance, em Varginha.

    Mudança de vida

    Rafael Morais Silva, de 10 anos, entrou esse ano para o grupo de dança do Capp e pela primeira vez se apresentou no espetáculo Ritmo dos Sonhos. Para ele, dançar é uma oportunidade de cuidar do corpo e de fazer novas amizades. “Não conhecia o hip hop e hoje sei muitas coisas a respeito dessa dança. Adoro dançar, e para mim, participar com outros amigos deste espetáculo foi muito bacana”, disse o garoto. Amanda Oliveira Lemos, de 12 anos, não só dançou como cantou no espetáculo. Ela quer aprimorar cada vez mais o ritmo hip hop e conhecer outros tipos de música pois acredita que as artes modificaram muito a sua vida. “A dança e a música mudaram 100% o meu estilo de viver. Antes não gostava de nada e era mais tímida, agora hoje, não! Acho que estou mais solta e expansiva. Até nos estudos melhorei. As artes realmente mudam a vida da gente.”

    Graciela Nasr

    Durante a vitória pelo 1º lugar no Festival de Hip Hop da Fesp.
    Parte do grupo Ritmo dos Sonhos com as professoras Sabrina Lemos e Délvia Cristina Morais.

    © 2019 Foco Magazine. Todos os direitos resevados.