Última Edição
Nov/Dez 2019
 Nov/Dez 2019

Informe Publicitário

Suicídio

  • Dayane M. Garcia Psicóloga CRP 04/38001
    Dayane M. Garcia Psicóloga CRP 04/38001

    Em torno de um milhão de pessoas morrem por ano em decorrência do suicídio. Isso significa, uma morte a cada 20 segundos e uma tentativa a cada um ou dois segundos. A palavra suicídio, significa morte intencional, ou seja, dar morte a si mesmo. 

    O suicídio é encontrado em todas as idades, mas sua maior incidência está em mulheres e jovens de 15 a 34 anos, embora, seja mais letal nos homens. Mais mulheres do que homens tentam suicídio, sendo que mais homens o cometem. O suicídio se apresenta, inclusive, na infância e na velhice.

    É importante entender que o suicídio está ligado a três tipos de comportamento: aqueles que possuem ideias suicidas, aqueles que tentam suicídio ou aqueles que se matam (MARCOLLAN,2004). Não se tem ainda explicações convincentes acerca dos motivos que levam uma pessoa a por fim a sua existência. Alguns especialistas, admitem uma predisposição hereditária para a depressão, ou por estarem num estado psicótico, isto é, fora da realidade; ou por se acharem perseguidas, sem alternativa de fuga. Se a pessoa não vê solução para as circunstâncias que tornaram esses afetos intoleráveis, o suicídio, começa a aparecer como a “única solução” para a situação.

    Certas frustrações na infância e na adolescência, como a falta de comunicação e o stress são também causas de boa parte dos suicídios. Porém, não se sabe ainda ao certo como se estruturam os pensamentos e os sentimentos da pessoa que planeja sua destruição física.

    Quem deseja cometer o ato do suicídio, raramente, tomou essa decisão de repente. Pois, na maioria dos casos, o suicídio é planejado. Nos dias e nas horas que antecedem o ato, normalmente, as pessoas verbalizam de que não querem mais viver e que, a morte seria a única solução para seus problemas.

    Como ajudar quem está com risco de suicídio:

    O melhor manejo nesses casos, é o diálogo. Pois, é necessário entender onde dói, o que incomoda, e o porquê do indivíduo não enxergar mais saídas. Em seguida, procure urgentemente, a ajuda de um profi ssional para ser realizada uma avaliação psicológica. Pois, quando for avaliado que o risco é muito grave, é necessário um tratamento ambulatorial com uma equipe multidisciplinar (consultas regulares com psiquiatra, psicólogos e terapeutas ocupacionais). Nesta ocasião, é feita uma avaliação da vida da pessoa, se possui uma família presente que forneça suporte e ajuda. Pois, todo suicida não quer acabar com sua vida e sim colocar um fim a sua dor .

    Telefone: (35) 9888-7291 - [email protected]

    © 2019 Foco Magazine. Todos os direitos resevados.