Última Edição
Nov/Dez 2019
 Nov/Dez 2019

Foco Online

Entrevista com Flávia Cintra

  • Flavia Cintra
    Flávia Cintra

    Jornalista, paulistana, casada, tem 43 anos e é mãe dos gêmeos Mateus e Mariana.

    Ativista dos movimentos sociais em defesa dos direitos das pessoas com deficiência atuou em diversas ONGs e fez parte da comitiva brasileira que representou o país na ONU durantes as reuniões internacionais para elaboração da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, promulgada pelas Nações Unidas em 2007 e em vigor no Brasil desde 2009.

    Desde 2010, é repórter do programa Fantástico da TV Globo.

    É uma das autoras do livro “Maria de Rodas – Delícias e Desafios na Maternidade de Mulheres Cadeirantes”.

    Leva uma vida produtiva, feliz e cheia de realizações.

    Confira a entrevista exclusiva que deu para a FOCO.

     

    1.    Como foi o seu processo de aceitação após a tragédia que poderia ter lhe tirado o sorriso e a vontade de viver? No que você se apegou?

    Tive sorte por ter uma família que me deu todo suporte e cuidado necessário num momento tão difícil. Minha mãe foi e é minha fortaleza. Ela cuidou de mim e foi atrás de tudo que eu precisava como uma leoa. Hoje, que sou mãe, percebo que ela sofreu muito mais que eu.

    Flavia Cintra

    2.    Quem foi sua inspiração e/ou fonte de motivação para alcançar tantas vitórias e sucesso?

    Meu acidente foi em 1991, quando a internet ainda não era parte das nossas vidas. Buscar referências, informações e trocar experiências não era tão fácil como hoje. Comecei relendo “Feliz Ano Velho”, livro do Marcelo Rubens Paiva que eu já conhecia e que depois do acidente ganhou um novo significado.

    3.    Como é a sua rotina de mãe, mulher, palestrante, apresentadora, consultora, escritora, jornalista, etc? Como você administra tantas atividades?

    Eu acho que ser mulher e fazer malabarismo para dar conta de todas essas questões não é um desafio só meu. Todas nós fazemos isso. A única diferença é que realizo minha vida sentada numa cadeira de rodas. Não estou dizendo que é fácil, mas não é tão difícil quanto a maioria imagina.

    4.    E o seu relacionamento com os seus filhos? Qual a idade deles? Eles questionam ou já questionaram sobre sua deficiência?

    Eu sou a mãe do Mateus e da Mariana. Eles não me poupam por ser cadeirante. Eles solicitam tudo que qualquer criança solicita à sua mãe. Para eles é normal ver a mãe numa cadeira de rodas porque essa é uma realidade presente desde que nasceram. Não é bom nem ruim. É a mãe deles. Agora que já vão completar nove anos, têm consciência da minha diferença e das dificuldades inerentes à minha condição. Eu respondo a tudo o que eles perguntam e nossa relação é uma delícia.

    Flavia Cintra

    5.    Como foi o processo da gestação e do parto? Você sentiu muitas dificuldades ou foi natural?

    Minha gravidez foi um momento de plenitude e alegria. Eu nunca imaginei que poderia merecer o privilégio de ter gêmeos. Eles nasceram fortes e saudáveis num parto de cesariana.

    6.    Como surgiu a oportunidade de trabalhar na Rede Globo?

    Recebi o convite de fazer um trabalho de consultoria para uma novela.

    7.    Você inspirou Manoel Carlos na criação da personagem Luciana na Novela Viver a Vida. Qual foi a repercussão desta personagem em sua vida? O que mudou após a Novela? 

    Foi um ano inteiro dedicado à novela com trabalho intenso e desafiador. Orgulho-me em ter feito parte de um processo de transformação dentro e fora da TV Globo feito pela novela.

    8.    De forma em geral, como você enxerga o processo de inclusão dos deficientes no Brasil na atualidade?

    Temos uma legislação completa e moderna com garantia sofisticada de direitos em todas as áreas, mas ainda não conseguimos colocar em prática o que está escrito nas leis.

    9.    E como tem sido a inclusão dos deficientes no mercado de trabalho? Quais as maiores conquistas dos deficientes no meio profissional?

    A Lei de Cotas é uma conquista importante que impulsionou o convívio profissional entre pessoas com e sem deficiência. Apesar de ainda existirem muitos desafios a serem superados, aos poucos a presença da diversidade vem se fortalecendo e se tornando valor nas empresas.


    10.    Quais as dificuldades que os deficientes que participam de suas palestras mais relatam a você?

    As dificuldades variam de acordo com a idade, o lugar, a família, o tempo de deficiência. Uma questão que representa um impeditivo importante para boa parte é a falta de acessibilidade.

    .

    11.   E o preconceito? Como lidar com ele? Você poderia nos contar uma experiência de superação onde sofreu preconceito e como lidou com isso?

    O preconceito é resultado de falta de informação na maioria das vezes. Eu vejo que a convivência descortina uma série de possibilidades que as pessoas sequer imaginam antes de ter alguém com deficiência participando de sua rotina.

    12.   Quais as dicas que você pode dar para outros deficientes que estejam desmotivados, deprimidos e entregues ao sofrimento?

    A minha vida começou a melhorar quando eu decidir parar de ficar triste enumerando as coisas que eu não podia fazer. Comecei a fazer uma lista de todas as coisas que eu podia fazer. Até hoje não terminei essa lista.

    13.   Você é uma vencedora! Um exemplo de vida. São muitas conquistas tanto no campo pessoal quanto no profissional. Mas e o futuro? O que espera dele? Qual o próximo passo da Flávia? Quais são os seus sonhos, objetivos, projetos e conquistas almejados para os próximos anos?

    Não me acho exemplo. Eu tropeço, erro, às vezes também desanimo. Tenho motivos para me orgulhar das minhas conquistas porque só eu sei o quanto foi difícil. Mas vejo que isso tem muito mais a ver com personalidade do que com deficiência. Cada um é dono da própria vida e faz as próprias escolhas. Ainda tenho muito a realizar, aprender e trabalhar. Minha missão só estará cumprida quando meus filhos estiverem adultos e encaminhados na vida. 

    Flavia Cintra

     

     

     

    O evento: I Simpósio sobre Inclusão de Pessoa com Deficiência, com tema: Respeitando a Diversidade, contará com o seguinte cronograma:

    Acontecerá no dia 06 de abril de 2016, com a presença especial de Flávia Cintra - numa realização da Santa Casa de Passos.

    07h30 Entrega de Credenciais

    07h45 Abertura

    08h00 Palestra: É possível ser feliz na diversidade.

    Palestrante: Eder Flávio Barbosa

    09h00 Palestra: Contratação de PCD, um desafio que dá certo!

    Palestrante: Eleusa Sousa de Oliveira – Assist. Social INSS

    Fernanda Cristina de Oliveira Cheraim – Assist. Social INSS

    09h40 Coffe Break

    10h00 Palestra: Estatuto de Pessoa com Deficiência, Direitos e Deveres.

    Palestrante: Promotor Eder Capute

    11h00 Palestra:

    Palestrante: Flávia Cintra – Cadeirante e Repórter do Fantástico

    12h30 Cases de Sucesso Santa Casa

    13h00 Encerramento

    © 2019 Foco Magazine. Todos os direitos resevados.