Última Edição
Nov/Dez 2019
 Nov/Dez 2019

Informe Publicitário

Estresse em animais de estimação

  • Animais também sofrem de carga de estresse e desenvolvem patologias similares aos seres humanos quando expostos a situações adversas ao seu organismo. Uma situação mais comum do que se imagina. Pois assim como seus donos, também sentem o impacto da vida moderna com abalos no físico e emocional, já que compartilham do mesmo espaço nos diversos ambientes.
     
    Fatores de Estresse
    .
    • Falta ou excesso de exercícios;
       
    • Longas viagens de carro;
    • Locais muito lotados, barulhentos ou quentes;
    • Introdução de um novo animal na casa que era só dele;
    • Fome ou mudanças na alimentação;
    • Sede;
    • Medo ou solidão;
    • Mudanças ou interrupção da rotina como ausência do dono, diminuição do tempo ou frequência dos passeios, mudança de um empregado da casa, obras, reformas ou situações em que o dono passa menos horas com o animal; 
       
    • Dor e desconforto devido a uma lesão ou uma doença. 
     
    Efeitos do estresse no organismo animal
     
    Os efeitos nocivos do estresse levam a várias mudanças tanto físicas quanto comportamentais. Atente-se aos primeiros sinais e evite maiores complicações. 
     
    Cansaço: os animais podem ficar excessivamente ofegantes, mesmo que não estejam cansados ou com sede. 
     
    Apatia e perda de apetite: podem dormir demais e se recusarem a entrar em qualquer atividade como brincadeiras ou caminhadas... E em casos extremos, até recusarem a comer e beber.
     
    Medo: o medo pode demonstrar o estresse. Se o seu animal está tremendo muito, pode estar se sentindo ameaçado. Cães quando assustados, podem manter o rabo entre as pernas.
     
    Comportamento incômodo ou destrutivo: no caso de cães, podem apresentar latidos excessivos sem qualquer razão especial causando bastante incômodo para os membros da família. Outro fator é a mastigação destrutiva para mostrar o seu descontentamento, desconforto ou nervosismo em relação a uma situação, pessoa ou outro animal.
     
    Mudanças fisiológicas: animais podem apresentar várias alterações como temperatura corporal elevada; mudanças nos batimentos cardíacos; alteração na pressão sanguínea; aumento do risco de doença cardiovascular; concentração de glicose sanguínea; alteração na secreção hormonal; redução da libido e hormônios reprodutivos; aumento na incidência de doenças respiratórias; coceira, entre outras.
     
    Aliviando o estresse
     
    .

     

     
    Para aliviar o estresse do seu pet, dê-lhe afeto, atenção e o proteja de situações que possam gerar medo ou desconforto. Certifique-se que ele esteja sendo bem tratado por todos os membros da família. Encontre um local mais tranquilo e passe algum tempo com ele. Não o deixe muito tempo sozinho. 
     
    É essencial administrar a rotina estabelecida. Se mudanças não puderem ser evitadas, que sejam feitas de forma gradativa e o menos traumática possível. 
     
    No caso dos cães, passear é o melhor remédio contra o estresse. Brincar com uma bolinha, roer um osso comprado em pet shop e brincar com outros cães ajuda a desestressar qualquer cachorro. 
     
    .
    Clínica Veterinária São Francisco de Assis

    Tel.: 35 3521-5886
    Av. José Caetano 
    de Andrade, 281
    Muarama - Passos - MG

    Não permita que o estresse se torne uma ameaça que coloque o bem-estar do seu animal em risco. 

     
    E fique atento: Nem todo animal que está “diferente”, está estressado. Ele pode estar doente. Em todo caso, não deixe de procurar o veterinário, que o avaliará e iniciará um tratamento adequado, se necessário.
     
     
     
     
     
     

    © 2019 Foco Magazine. Todos os direitos resevados.