Última Edição
Janeiro/Março 2020
Janeiro/Março 2020

Em Foco

Como é ser mãe de gêmeos?

  •  
    Os gêmeos
     
    Davi Borges Gomes
    Heitor Borges Gomes
    Davi e Heitor

     

     
    filhos de Sérgio Gomes Filho e Débora Maria Borges Silva Gomes.
     
    2 anos
    26/09/2014
     
    DAVI
    Sociável, brincalhão, nervoso, decidido, ansioso.
    Gosta de brincadeiras ao ar livre; brincadeiras com bola, na água e com areia. Passeios; Adora doces e guloseimas em geral.
     
     
    HEITOR
    Tranquilo, calmo, compreensivo, tímido, aventureiro, arteiro, distraído.
    Gosta de brincadeiras ao ar livre, na água e com areia, como o irmão (porém não gosta de bola);
    Brincar com animais e ouvir historinhas infantis. Prefere frutas azedinhas ao invés de um doce, apesar de adorar balas.
     
     
     
     
    As gêmeas
     
    Alice Oliveira Fabri Esper
    Anne Oliveira Fabri Esper
     
    Anne e Alice

     

     
    filhas de Douglas Fabri Esper e Liliane Oliveira Sousa Esper
     
    2 anos
    30/06/2014
     
    ANNE
    Levada, faladeira, extrovertida, gosta de dançar e ouvir músicas!
     
     
    ALICE
    Séria, centrada, organizada, gosta de brincar de bonecas!
     
     
    Como é ser mãe de gêmeos?
     
     
    .

    Débora

    É cuidar de dois bebês ao mesmo tempo, ou melhor, o tempo todo, literalmente. 
     
    Tudo em dobro, os prazeres e os trabalhos. E quanto trabalho! Só mãe de gêmeos sabe o quanto é cansativo física e emocionalmente cuidar deles, mas ao mesmo tempo não queremos trocar isso por nada neste mundo. 
     
    É ver os dois bebês interagindo e brincando, sentindo falta um do outro quando não estão juntos (raridade aqui em casa) e ter a certeza que não poderia ser de outro jeito (um sem o outro).
     
    Liliane
     
    Ser mãe de gêmeos é uma experiência incrível. É entregar-se totalmente ao papel de mãe: falta tempo  para comer, para dormir e até para tomar banho. Dependo  sempre de alguém para ajudar e mesmo assim o cansaço físico e emocional é grande demais.
     
    Em compensação é a melhor coisa do mundo. É maravilhoso ver a amizade e  o amor de uma com a outra. São companheiras, amorosas. Uma adora imitar a outra. Fico emocionada quando uma corre para me abraçar e logo vejo a outra correndo para os meus braços também. É tudo muito intenso: o choro, o riso, o amor, o cansaço, as preocupações. Uma mistura de sentimentos grande demais.
     
     Contudo, sou feliz demais por saber que Deus me escolheu como mãe destas duas princesas e que me fortalece todos os dias para cumprir esta missão maravilhosa.
     
     
    Quais os desafios de ser mãe de gêmeos?
    .

     

     
     
     
    Liliane
     
    .
    O maior desafio é conseguir satisfazer as duas crianças ao mesmo tempo. Na maioria das vezes, elas querem a mesma coisa, na mesma hora. Escolher uma para ser a primeira é difícil demais, dá a impressão de estar rejeitando a outra. Mas com o tempo aprendi a revezar os cuidados, a socorrer primeiro a que precisa mais naquele momento.
     
    Quando as gêmeas nasceram eu já tinha o Lucas que na época tinha três anos. Ele ainda dependia muito dos nossos cuidados. Várias vezes desejei ser duas mães só para não vê-lo triste. Ele ficou muito enciumado e precisei de muita ajuda e estratégias para controlar a situação e não deixá-lo sofrer. E deu certo. Hoje ele tem muito carinho com as irmãs e quando preciso até me ajuda a cuidar delas.
     
    Algumas coisas se tornaram mais difíceis, como sair de casa, planejar passeios com antecedência, cumprir horários. Coisas que eram bem simples se tornaram complexas. 
     
    Sempre precisamos da ajuda de outras pessoas: avós, tias, primas, babá, amigos. Todos estão sempre por perto para nos ajudar.
     
    Alice e Anne brigam, brincam, se abraçam, se mordem, se beijam, se completam. E nós, agradecemos a Deus este privilégio e vivemos com muito amor.
     
     
    Débora
     
    .
    Acredito que a chegada de um filho seja a experiência mais transformadora e desafiadora na vida de uma mulher. Imagina iniciar a maternidade com 2 filhos simultaneamente? Os desafios são duplos: amamentar dois bebês dia e noite, acalentar dois chorando ao mesmo tempo, trocar fralda de um enquanto outro escala os móveis da casa ou fica caindo em cima do irmão, sobreviver quase sem dormir e não entrar em “surto”, ter crises de choro de exaustão; além da preocupação em não fazer comparações entre um e outro, em dar a mesma atenção, saber respeitar o tempo e as diferenças de cada um. 
     
    Querer dar conta de cuidar dos dois e se ver obrigada a ter ajuda. Uma rede de apoio e a parceria do pai são fundamentais. É preciso, sempre, a disponibilidade de duas pessoas para sair de casa com os dois: seja para uma atividade de lazer deles ou para uma ida ao supermercado (estas, agora, passam a ser as atividades de lazer da mãe). Na vida profissional, tive que me afastar de um dos meus trabalhos para me dedicar, quase que integralmente, a meus filhos. E não me arrependo. Sei que é temporário e que este meu tempo junto deles é precioso e insubstituível. 
     
    Mas, é uma delícia vê-los crescendo, desenvolvendo, enchendo a casa de cor, barulho e sorrisos. Receber abraços e beijinhos duplos, passear com eles pelas ruas vendo o olhar de admiração das pessoas e se sentir a pessoa mais abençoada do mundo! Se desanimaria uma futura mamãe de gêmeos? Respondo: O terceiro filho chega em dezembro (outro menino a caminho). Quando chegar a menininha, fecho a fábrica (brincadeirinha...)!
     
     
    O que as mães de gêmeos mais ouvem?
     
    .

     

     

     
     
    Débora
     
    -“É” (assim mesmo) gêmeos?
    - Na sua família ou na do seu marido que tem gêmeos?
    - São idênticos??? (não consigo entender não notar como são diferentes!)
    - “Nossa, como você dá conta? Eu, só com um filho, já fico louca!”
    - Quando um chora o outro chora também?
    - É verdade que se um fica doente o outro também fica?
    - Nossa, como são grandes, por serem gêmeos!
    - Ah é bom que você cria tudo junto!
     
    Liliane
     
    Quando vou passear com minhas filhas me sinto numa passarela ( risos). Por onde passo com as duas escuto comentários diversos.  As pessoas ficam encantadas e sempre dizem que fui duplamente abençoada. Dizem que Deus foi generoso comigo. Recebem muitos elogios e bênçãos. Sempre volto para casa orgulhosa com tanto carinho que recebemos, inclusive de pessoas que não conheço.
     
    A pergunta que mais fazem é se foi natural ou tratamento.No meu caso foi natural e não temos caso de gêmeos na família.
     
    Outra pergunta comum é como faço para diferenciar as duas. Temos facilidade: a Anne sempre foi menor, rostinho mais fino. A Alice sempre teve mais cabelo, mais gordinha. A família , em geral, tem facilidade em separá-las.
     
    Outra pergunta comum: se o mais velho teve ciúmes. E como não teria, não é mesmo? Ele era único, cheio de atenção ... de repente, tudo mudou.
     
    Muitas pessoas querem saber se dormem juntas, acordam juntas. Quando os gêmeos nascem  percebemos que precisamos criar uma rotina e seguir horários para  ter qualidade de vida. Alice e Anne seguem horários,raramente fogem as regras. Isto facilita para quem está cuidando e para nós pais.
     
    .

     

     
     
    Créditos:
    Fotos: Eloisa Silveira
    Agradecimentos: Júlia Piantino Cançado - Colégio Status Júnior
    Idealização e Realização: Fabí­ola Pimenta Coelho Castro
     
     
    Confira todas as fotos:
     
     
     

    © 2019 Foco Magazine. Todos os direitos resevados.